Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
O jardineiro casual Por Marcelo Marthe Ideias práticas e reflexões culturais sobre jardinagem, paisagismo e botânica

Rosa-do-deserto: a planta gordinha que é um vício

No meio desse outono maluco de São Paulo, que alternou seca extrema com chuva e frio, uma planta que andava adormecida na sacada do meu apartamento de repente arrasou o quarteirão. A rosa-do-deserto – nome popular da espécie denominada de Adenium obesum – gostou tanto das variações radicais do tempo que floresceu com tudo. Hoje relativamente […]

Por Marcelo Marthe Atualizado em 30 jul 2020, 22h38 - Publicado em 26 Maio 2016, 18h46

Adenium-Obesum-20160526-02

No meio desse outono maluco de São Paulo, que alternou seca extrema com chuva e frio, uma planta que andava adormecida na sacada do meu apartamento de repente arrasou o quarteirão. A rosa-do-deserto – nome popular da espécie denominada de Adenium obesum – gostou tanto das variações radicais do tempo que floresceu com tudo.

Hoje relativamente fácil de encontrar no comércio, essa planta nativa de ambientes áridos do norte da África e do Oriente Médio tornou-se – assim como as orquídeas ou roseiras comuns – um vício para muitos jardineiros. O que é absolutamente compreensível: além da floração magnífica, em tons que variam do branco ao rosa e ao carmim metálico, a rosa-do-deserto é um vegetal muito singular. Mas, apesar de rústica, é cheia de manhas no cultivo.

UNSPECIFIED - CIRCA 2005:  Yemen, Socotra Island, Monti Haggier, Desert rose (Adenium obesum), endemic vegetation.  (Photo By DEA / C. DANI I. JESKE/De Agostini/Getty Images)

Rosa-do-deserto nativa – e antiquíssima – no deserto Yemen

O obesum do nome científico vem daquilo mesmo que você imaginou ao ver as fotos que ilustram este post: ela é gorducha. Embora comungue o nome popular, a rosa-do-deserto nada tem a ver com a rosa comum. Pertencente à família das apocináceas, é uma planta tipicamente suculenta – ou seja, tem as raízes e caules entumescidos com o objetivo de armazenar água, item escasso em seu ambiente natural, como o deserto do Yemen. Ela começa a dar flores logo cedo, quando a muda tem apenas alguns centímetros e cabe num vaso minúsculo. Mas é na forma adulta, que pode levar anos ou séculos para atingir, que a rosa-do-deserto se mostra em toda sua estranheza bizarra.

Adenium-Obesum-20160526-01

O detalhe curioso é que as partes inchadas, que lembram o aspecto de uma pata de elefante, são compostas basicamente pelas raízes que se projetam para fora do chão. O culto à rosa-do-deserto fez surgir uma infinidade de técnicas que visam produzir combinações de cores inéditas, flores com design diferenciado e principalmente raízes nos formatos mais improváveis.

Continua após a publicidade

UNSPECIFIED - JANUARY 27: Desert rose (Adenium obesum), Apocynaceae. (Photo by DeAgostini/Getty Images)

Se você é um jardineiro diletante como eu e deseja obter sucesso em seu cultivo, deve ficar atento a alguns fatores :

1) Plantio – Como a maioria das suculentas, ela necessita de solos com drenagem radical. O vaso tem de ter furos: é bom preencher o fundo com pedras e areia e completar com substrato bem leve, composto de matéria orgânica descompactada e areia grossa. Dica preciosa: nunca deixe prato embaixo do vaso, para não correr o risco de ficar água acumulada

2) Rega – A rosa-do-deserto abomina o excesso d’água. Mas, paradoxalmente, também não gosta da seca total. Conforme a época do ano, duas a três regas comedidas por semana estarão de excelente tamanho. Em épocas como o inverno,  quando ela tende a perder as folhas e entrar em dormência nas regiões mais frias, o volume de água deve ser reduzido ainda mais. Dica preciosa: na dúvida, enfie a ponta do dedo na terra para sentir o grau de umidade. O solo deve estar sempre ligeiramente úmido, nunca seco ou molhado demais

KENYA - 1991/01/01: Kenya, Samburu, Desert Rose Blossoms, Adenium obesum, Apocynaceae Family. (Photo by Wolfgang Kaehler/LightRocket via Getty Images)

3) Luz – Ela é uma planta de sol pleno e abrasador – imagine um ambiente das Arábias. Pode, no entanto, adaptar-se à meia-sombra bem iluminada, desde que tome pelo menos de 5 a 6 horas de sol direto. Dica preciosa: a rosa-do-deserto pode ser susceptível ao excesso de chuvas, mesmo estando plantada num vaso ou canteiro bem drenado. Procure colocá-la num ponto com proteção de outras plantas – e não hesite em mudar o vaso de lugar em períodos exageradamente chuvosos

4) Cuidado – A rosa-do-deserto se beneficia de uma adubação química à base de fósforo, uma ou duas vezes ao ano – mas, atenção, faça isso sempre com comedimento. O adubo só deve ser aplicado após as regas, para não queimar as raízes. Dica preciosa: de vez em quando, vale conferir se o caule/raiz aérea está firme. Se estiver amolecido, é sinal de problemas: falta ou excesso de água, pragas ou podridão das raízes – o que às vezes pode ser sanado com uma poda radical das mesmas e o transplante para um vaso com novo substrato

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)