Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Em Cartaz Por Raquel Carneiro Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca

Vísceras expostas e público saindo da sala, o filme que chocou Cannes

‘Crimes do Futuro’, de David Cronenberg e com Kristen Stewart no elenco, atesta que o cineasta ainda consegue fazer o espectador se contorcer na cadeira

Por Jennifer Queen, de Cannes 24 Maio 2022, 14h53

Um menino brinca à beira mar. De casa, a mãe grita: “Drecken, não é para você comer nada que encontrar aí, não quero nem saber o que é”. Drecken come plástico. Sentado no vaso do banheiro, ele recolhe a lixeira do chão e começa a morder, crocante que nem biscoito. A mãe o observa da porta e, assim que ele dorme, sufoca-o com um travesseiro. A cena chocante é uma entre várias desenhadas pelo polêmico cineasta canadense David Cronenberg, 79 anos, em Crimes do Futuro, seu primeiro filme desde Mapas para as Estrelas, de 2014, e um dos mais esperados da 75ª edição do Festival de Cannes. Algumas pessoas tinham passado mal em projeções anteriores, então se esperava muita gente saindo da sala antes do fim da sessão. Com o estômago, por assim dizer, mais forte, boa parte do público do festival aguentou firme, mas alguns desistentes foram vistos saindo ao fundo.

A morte de Drecken é um efeito colateral de um mundo no qual a evolução humana surpreende. No futuro imaginado por Cronenberg para o filme, as paredes precisam de uma mão de tinta, as pessoas não sentem mais dor, algumas comem materiais estranhos como plásticos, órgãos extras surgem de forma natural no corpo humano, cirurgias são feitas no meio da rua, e todo mundo quer ser um artista performático. Os protagonistas Saul Tenser (Viggo Mortensen) e Caprice (Léa Seydoux) estão acima disso: são estrelas. Multidões vêm conferir seus shows. Toda vestida de vermelho, Caprice opera a extração de um órgão do corpo de Saul, tatuando-o com sua assinatura. A sensualidade da sessão é a deixa para a tese de que, nesse mundo, a cirurgia é o novo sexo. Timlin (Kristen Stewart), a funcionária burocrática do escritório para registro de novos órgãos, sugere exatamente isso ao ouvido de Saul. Nas ruas ou entre quatro paredes, mulheres se deixam cortar, ofegantes. As mais bonitas criam padrões de fratura exposta no meio do rosto. É a beleza interior, literalmente, que conta, inclusive em concursos clandestinos: o novo belo reside em vísceras expostas. Para além das cenas explícitas, um desconforto inesperado: os personagens entoam diálogos abundantes, com uma linguagem rebuscada, entre conceitos que vão do significado da arte à evolução da espécie humana.

“Como cineasta, estou sempre filmando o corpo”, disse Cronenberg à imprensa no evento do qual VEJA participou. Quase octogenário – “sou mais velho do que o Festival de Cannes” –, o cineasta não parece querer parar por agora. “Espero cometer muitos crimes cinematográficos no meu futuro”, contou. Viggo Mortensen disse que, nos bastidores, ouvia Cronenberg murmurando algo que achava ser latim, até entender a citação vinda do filósofo alemão Friedrich Nietzsche: “Se você quer viver, tem que estar preparado para morrer”. O cineasta entende como poucos o estranho limiar entre morte e vida.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)