Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Em Cartaz

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

Filme ‘A Paixão Segundo G.H.’ encara desafio de adaptar o inadaptável

Longa é baseado no clássico e complexo livro de Clarice Lispector

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 3 jun 2024, 16h59 - Publicado em 6 abr 2024, 08h00

G.H. era uma mulher que vivia bem, muito bem. Escultora rica, morava na cobertura de um prédio, em um belíssimo e amplo apartamento bem decorado. Certo dia, após a empregada partir, ela se propôs a limpar e organizar a própria casa. A começar pelo quarto agora vazio da funcionária — afinal, acreditava ser ele o mais sujo e repleto de entulho. O cômodo na área de serviço era ambiente desconhecido para G.H., que chegando lá se viu completamente equivocada. O quartinho estava limpo, sem lixo, e trazia sinais um tanto perturbadores deixados pela ex-habitante: em uma das paredes, traços em carvão desenhavam em tamanho real o contorno de um homem, uma mulher e um cão. No guarda-roupa vazio, a surpresa: uma enorme barata viva.

A paixão segundo G. H. – Clarice Lispector

O encontro inesperado entre a grã-­fina e o inseto asqueroso é a base da profunda divagação de Clarice Lispector (1920-1977) sobre a vida, o amor, o prazer e a morte em A Paixão segundo G.H. Um dos melhores e mais complexos romances da autora — categorização acirrada, já que sua obra é enigmática e densa por excelência —, o livro de 1964 sempre foi considerado, por razões óbvias, infilmável. Verter um texto de puro fluxo de pensamento em uma trama para o cinema com pouquíssimos acontecimentos parecia uma missão impossível — especialmente sendo o clímax uma cena repulsiva: como é de conhecimento geral dos que ao menos já ouviram falar do livro, a protagonista G.H., finalmente, come a barata. O desafio de transformar literatura em longa foi abraçado pelo diretor Luiz Fernando Carvalho, que refuta o termo “adaptação”. “Eu diria que é uma aproximação, uma reação criativa à leitura”, disse ele a VEJA. O resultado pode ser visto em A Paixão segundo G.H., filme que chega aos cinemas na quinta-feira 11, com Maria Fernanda Cândido na pele da protagonista.

ESFINGE - Clarice Lispector: autora de livros profundos e psicológicos continua popular, apesar de difícil
ESFINGE - Clarice Lispector: autora de livros profundos e psicológicos continua popular, apesar de difícil (S. Hassad/.)

Mesmo introspectiva, a obra de Clarice não deixa de ser acessível. Prova disso é a popularidade duradoura de seus livros, que continuam a ganhar novas edições, traduções em outros países e, vez por outra, tentativas cinematográficas. A Hora da Estrela (1985), dirigido por Suzana Amaral, foi o primeiro a navegar pelas águas turbulentas do texto dito “clariciano”. A trama, porém, é a que mais oferece acontecimentos dentro do universo da autora, facilitando a adaptação — atualmente, o filme passa por um processo de digitalização para voltar aos cinemas em maio. Na seara mais divagante, O Livro dos Prazeres (2021), de Marcela Lordy, optou por um roteiro minimalista de longos silêncios — postura oposta à de A Paixão segundo G.H.

Diário de um filme: A paixão segundo G. H. – Melina Dalboni

Assim como a leitura do romance, ver o novo filme é uma experiência particular, no mínimo, de quem o assiste — para o bem e para o mal. Maria Fernanda hipnotiza com sua beleza clássica e atuação elegante num monólogo no qual interpreta G.H. com as exatas palavras da protagonista no livro. Quando transita pelo apartamento, a câmera amplia a imagem, dando a noção de sua riqueza, assim como de sua solidão. Já no quartinho, os enquadramentos ficam mais fechados e claustrofóbicos, acompanhando a angústia existencial que a atinge. Outros poucos personagens surgem de costas, como os homens com quem ela se relaciona. Só a empregada, Janair (a estreante Samira Nancassa), tem rosto — um aceno ao fato de que é a única personagem do livro a ganhar um nome, considerando que até a protagonista não possui um completo, só as iniciais. Já as cenas com a barata (sim, uma barata de verdade) começam vagas e distantes, até seu retrato completo e repulsivo tomar a tela por mais tempo do que necessário.

Continua após a publicidade
PARCERIA - Atriz e diretor nos bastidores: preparo começou em 2017, com oficinas focadas na autora
PARCERIA - Atriz e diretor nos bastidores: preparo começou em 2017, com oficinas focadas na autora (Antonio Garcia Couto/Paris Filmes/.)

A hora da estrela – Clarice Lispector

Ao optar por manter o texto original sem mudar uma vírgula, apenas com cortes e reorganização de sua ordem, Carvalho repete a abordagem feita por ele em 2001 na igualmente difícil adaptação de Lavoura Arcaica, romance cultuado de Raduan Nassar. Ter o texto pronto, porém, não é o mesmo que ter um roteiro — lição aprendida na marra por Melina Dalboni. A roteirista foi a responsável pela criação do que se convencionou chamar de “roteiro-livro” — experiência narrada por ela em Diário de um Filme: A Paixão segundo G.H. (Rocco; 344 páginas, 99,90 reais). “A literatura de Clarice tem muitos significados. Ler o romance com atenção extrema revelou detalhes importantíssimos pouco explorados”, disse Melina. A relação patroa e funcionária é um desses recortes lidos com lupa. “É a empregada que detona a crise existencial dela, não a barata”, lembra a roteirista. Melina narra os pormenores do processo que começou em 2017, quando a equipe assistiu a oficinas com especialistas em literatura e filosofia. Depois, teve de vencer os perrengues de fazer cinema no Brasil até a filmagem num apartamento em Copacabana. Ao entrar no imóvel pela primeira vez, vejam só, uma barata morta os esperava. Com Clarice Lispector, tudo pode surpreender.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 5 de abril de 2024, edição nº 2887

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.