Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

‘Ferrari’ e mais: como a Fórmula 1 acelerou (e bombou) nas telas

Dirigido por Michael Mann, o filme se debruça sobre a trajetória do criador da lendária escuderia italiana

Por Amanda Capuano Atualizado em 4 jun 2024, 09h20 - Publicado em 23 fev 2024, 06h00

Em 1957, uma década depois de colocar o primeiro carro da montadora com seu sobrenome nas pistas, Enzo Ferrari estava afogado em frustrações: o italiano perdera o filho, Dino, de apenas 24 anos, e via o casamento com a esposa, Laura Garello, ser corroído pelo luto e por seus casos extraconjugais. Nos negócios, a maré de azar não era menor: os gastos com o automobilismo, sua grande paixão, superavam em muito a receita da venda de automóveis, deixando a luxuosa fabricante italiana à beira da falência. Para piorar a situação, um acidente trágico com o piloto ferrarista Alfonso de Portago na então tradicional corrida Mille Miglia, vista como a salvação financeira da empresa, matou onze pessoas, entre elas cinco crianças que assistiam à prova. É para esse contexto caótico, que quase encerrou de maneira precoce a história da equipe mais vitoriosa da Fórmula 1, que o diretor Michael Mann vira suas lentes em Ferrari, longa eletrizante que acaba de chegar aos cinemas brasileiros.

BASTIDORES - Com a esposa, Laura (Penélope Cruz): luto pelo filho e acidentes
BASTIDORES - Com a esposa, Laura (Penélope Cruz): luto pelo filho e acidentes (Diamond Films/.)

Ferrari: O homem por trás das máquinas

Protagonizado por Adam Driver, e com uma participação marcante do brasileiro Gabriel Leone, que faz sua estreia em Hollywood, e de Penélope Cruz no papel da esposa, Laura, o filme se inspira na biografia Ferrari: o Homem por Trás das Máquinas, do americano Brock Yates. Narra a história do fundador da equipe de Maranello alternando o melodrama que foi sua vida pessoal e a paixão obsessiva pela alta velocidade, que levou a Ferrari ao olimpo do automobilismo e fez dos carros vermelhos objeto de desejo de campeões como Lewis Hamilton — que se juntará à escuderia em 2025. Com seu instigante balé de carros e câmeras, o filme é a mais recente incursão de Hollywood no universo da Fórmula 1, filão que cresce na mesma velocidade alcançada pelos carrões da categoria: além de Ferrari, uma safra de novas produções movidas a gasolina está invadindo as telas do cinema e do streaming.

The Ferrari Book Passion for Design: Passion for Design

Na Netflix, acaba de estrear a sexta temporada da série documental Dirigir para Viver, e chega ainda neste ano a aguardada Senna, minissérie que dramatiza a vida do brasileiro tricampeão da F1. Para o ano que vem, a Apple TV+ está produzindo um filme ainda sem título com Brad Pitt na pele de um piloto aposentado que volta às pistas. O longa dirigido por Joseph Kosinski, de Top Gun: Maverick, tem coprodução do heptacampeão Lewis Hamilton, que também prepara um documentário sobre sua vida e carreira. A Disney, por fim, trabalha com o auxílio do piloto australiano Daniel Ricciardo em uma produção ficcional para a plataforma Hulu, ainda sem detalhes divulgados.

Continua após a publicidade
PÓDIO DUPLO - Leone: Portago em Ferrari (acima) e, em breve, Ayrton Senna
PÓDIO DUPLO - Leone: Portago em Ferrari (acima) e, em breve, Ayrton Senna (Lorenzo Sisti/Diamond Films/.)

A overdose de projetos tem justificativa: ela retroalimenta uma cadeia de popularidade que vem avançando em oitava marcha desde que o conglomerado americano Liberty Media adquiriu os direitos da marca Fórmula 1, no final de 2016, e se impôs o desafio de modernizar a categoria e torná-la popular nos Estados Unidos. Com isso, a empresa tomou uma série de medidas marqueteiras para rejuvenescer sua base de fãs, entre elas uma parceria com a Netflix — que verteu a competição em espetáculo de celebridades ao revelar os bastidores das corridas em Dirigir para Viver.

Ayrton Senna: Uma Lenda a Toda Velocidade

A ideia deu certo: depois que a primeira temporada da série foi lançada, em 2019, a Fórmula 1 ganhou 73 milhões de torcedores e teve um crescimento de 77% na faixa etária dos 16 a 35 anos. O público do Grande Prêmio dos Estados Unidos, no Texas, praticamente dobrou desde então, e, em 2023, o país se tornou o único a ter três corridas fixas no calendário da categoria. Com a atenção conquistada, nada mais natural do que o entretenimento americano embarcar na corrida pela audiência dos amantes da velocidade.

VIDA REAL - Ferrari (de óculos) e um de seus carrões: escuderia mítica
VIDA REAL - Ferrari (de óculos) e um de seus carrões: escuderia mítica (Klemantaski Collection/Getty Images)

Apesar do momento propício para uma nova leva de produções, essa não é a primeira vez que os carros invadem as telas. Se antes as produções voltadas ao automobilismo eram majoritariamente documentais, iniciativas pioneiras se destacaram ao dramatizar o esporte. É o caso do épico Grand Prix (1966), do cineasta John Frankenheimer, que arrebatou três estatuetas no Oscar. Mais recentemente, Rush (2013), de Ron Howard, foi bem recebido ao levar para o cinema a batalha de Niki Lauda e James Hunt pelo campeonato mundial de 1976, e Ford vs Ferrari (2019) fez sucesso ao se debruçar sobre a disputa das duas gigantes do automobilismo nas 24 Horas de Le Mans.

Grand Prix [Blu-Ray]

Infiltrar-se no universo peculiar da Fórmula 1, no entanto, já foi tarefa inglória: no início dos anos 2000, Sylvester Stallone até tentou fazer um filme inspirado na categoria, mas desistiu alegando que o meio era “muito formal” e que era difícil conhecer as pessoas. Hoje em dia, essa abertura não parece problema: Brad Pitt, por exemplo, ganhou sua própria garagem no Grande Prêmio da Inglaterra de 2023, filmou cenas em carros adaptados e passou por um extenso treinamento de pilotagem viabilizado por Toto Wolff, chefe da Mercedes. Gabriel Leone, que viverá Ayrton Senna na Netflix e faz Alfonso de Portago em Ferrari, também experimentou a adrenalina. “A imersão no universo do automobilismo me serviu para os dois projetos. Me preparei fisicamente para ambos, e a experiência mais importante para mim foi estar dentro do carro, na pista”, explica ele. Está dada a largada.

Publicado em VEJA de 23 de fevereiro de 2024, edição nº 2881

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.