Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

‘A Noite das Bruxas’: o desafio de adaptar obra de Agatha Christie

Filme cumpre a missão de manter a autora em voga, mas sofre ao tentar transpor seu universo para as telas

Por Amanda Capuano Atualizado em 4 jun 2024, 09h58 - Publicado em 15 set 2023, 06h00

Na Veneza do pós-guerra, um aposentado Hercule Poirot (Kenneth Branagh) aceita participar de uma sessão espírita numa mansão supostamente mal-assombrada. Seu objetivo: provar que a morte da adolescente que ali morava — e que teria tirado a própria vida a mando de fantasmas — não teve nada de sobrenatural. Quando um dos convidados é morto, o sagaz detetive atesta que há um assassino entre eles, e coloca suas habilidades à prova para desvendar o crime. A trama de A Noite das Bruxas, já em cartaz no país, conjuga os elementos típicos das histórias de Agatha Christie (1890-1976): um mistério dentro de outro mistério ainda mais mirabolante, do qual Poirot puxa o fio da meada para desenrolar mais um caso complicado. Ocorre que a terceira incursão pelo universo da autora inglesa feita pelo diretor e protagonista Kenneth Branagh expõe uma verdade não menos complexa: adaptar seus romances criminais para a tela, mantendo-se fiel ao magnetismo original, mas sem deixar de ser atraente para a audiência atual, é uma tarefa inglória.

A noite das bruxas
Assassinato no Expresso do Oriente

Com mais de setenta obras publicadas, Agatha permanece quase imbatível em popularidade — já vendeu mais de 2 bilhões de livros, marca só superada por um autor clássico como Shakespeare. Mais que isso, ela teve contribuição decisiva para propagar o who­du­nit, a fórmula pop baseada no notório “quem matou”. E é aí que mora a questão: o formato se tornou tão manjado, até mesmo nas novelas, que é desafiador reciclá-lo com algum frescor. “Quando eu era mais novo, ela era vista como antiquada e fora de moda”, contou a VEJA James Prichard, bisneto da autora e produtor-­executivo da trilogia de Branagh. “Mas boas histórias não envelhecem. Elas funcionam em qualquer época.”

Morte no Nilo

A opinião tem fundamento: apesar da estética retrô, as criações de Agatha ainda seduzem. A chave para honrar a dama do mistério não é adaptá-­la de forma literal, mas captar o espírito farsesco e o charme britânico de seus livros. Sem se inspirar em nenhum deles, mas bebendo com louvor de sua essência, produções como Entre Facas e Segredos (2019) chegaram lá. O mesmo não se pode dizer das três adaptações de Branagh. Assassinato no Expresso do Oriente, Morte no Nilo e, agora, A Noite das Bruxas são até simpáticas, mas pecam pela reverência e previsibilidade. Do ponto de vista dos herdeiros, porém, a empreitada é válida: os filmes são, afinal, um jeito de manter Agatha em voga. “Essas produções levam o trabalho dela a um público mais amplo. Esperamos que leiam mais livros e assistam a outras coisas”, diz Prichard. Ao menos nos negócios, o crime compensa.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 15 de setembro de 2023, edição nº 2859

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

A noite das bruxas
A noite das bruxas
Assassinato no Expresso do Oriente
Assassinato no Expresso do Oriente
Morte no Nilo
Morte no Nilo

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.