Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Educação em evidência

Por João Batista Oliveira Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
O que as evidências mostram sobre o que funciona de fato na área de Educação? O autor conta com a participação dos leitores para enriquecer esse debate.
Continua após publicidade

A educação na boca do povo

Educação é o tema mais lembrado por milhares de pessoas que participaram da campanha "O Brasil que eu quero". Mas ainda é pouca a pressão pela qualidade.

Por João Batista Oliveira 1 out 2018, 10h11

Na edição do programa Fantástico de ontem, 30 de setembro, um fato revelador: em meio a tantos sofrimentos e dificuldades, a educação surge como a grande esperança de dias melhores. De todos os temas, foi o que, de longe, mais representou o Brasil que as pessoas querem: 15,5% dos milhares de vídeos enviados à campanha “O Brasil que eu quero” tratavam de educação, tema que ficou à frente de corrupção. Dos vídeos enviados por crianças e adolescentes, 25% disseram ter como prioridade estudar em uma escola boa.

Por que as pessoas acreditam tanto na educação? E por que os governos têm sido tão incapazes de oferecer tão pouco?

As pessoas acreditam na educação e a associam a uma vida melhor. Acreditam que uma boa escola pode ajudá-las a “vencer na vida”.

Os dados da economia confirmam essas expectativas: as pessoas que estudam mais ganham mais do que as pessoas que estudam menos. As que concluem etapas (como o ensino médio, por exemplo) ganham mais do que as que ficam pelo caminho. Em tempos de crise, as pessoas com mais educação são as últimas a perderem emprego e as primeiras a conquistar um novo.   Ou seja: as pessoas têm uma percepção bastante realista da importância da escola.

Continua após a publicidade

Mas dado o nível de carência, as pessoas tendem a pedir muito pouco: transporte escolar, uma sala minimamente arejada, que haja professores, que o professor dê aulas. Ainda é pouca a pressão pela qualidade.

Isso ajuda a responder a segunda pergunta – a respeito da incapacidade dos governos de oferecer educação de qualidade: a pressão é por mais escolas, vagas, transporte, merenda, professores, inglês, informática, tempo integral. Os que poderiam pressionar colocam filhos nas escolas privadas – e não exercem pressão.

Por essa ponta – da pressão popular -, será difícil melhorar a educação. Restaria a outra ponta – economistas, elites e governantes que entendessem a função estratégica da educação para a formação do capital humano. Quando isso for entendido, os brasileiros poderão ter uma chance. Até lá, resta sonhar. Pelo Brasil que queremos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.