Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Dúvidas Universais Por Duda Teixeira Os fatos internacionais que desafiam a lógica e o bom-senso explicados de maneira clara e atraente. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Por que os comunistas chineses tingem o cabelo de preto?

Enquanto o acaju domina o Congresso brasileiro, na China a moda é outra

Por Duda Teixeira Atualizado em 28 set 2018, 16h26 - Publicado em 18 out 2017, 07h51

Durante a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff em 2016, chamou atenção a quantidade de deputados que justificavam o voto ao microfone com cabelo de cor acaju. Nas redes sociais, falou-se até em “bancada do acaju“.

No Congresso do Partido Comunista chinês, que acontece a cada cinco anos, quase todos ostentam cabelos pretos. Raríssimos deixam à mostra algum fio cinza. Quando estão sentados no Grande Salão do Povo, em Pequim, fica impossível distinguir um do outro.

A confusão é proposital. Em um regime em que a disciplina partidária está acima de tudo, diferenciar-se não é algo desejável e pode render problemas. Assim, os líderes chineses se esforçam por não chamar  atenção: os ternos são pretos e as gravatas, vermelhas ou azuis.

A estética que privilegia o coletivo, em detrimento do individual, foi e continua sendo a tônica em vários regimes comunistas. Nas fotos das autoridades da Coreia do Norte, também é impossível diferenciar uma pessoa da outra. O único que se destaca é o ditador Kim Jong-un.

 

O líder norte-coreano Kim Jong-Un posa para foto no Ministério da Segurança do Estado durante o aniversário de fundação da instituição, na Coreia do Norte
O líder norte-coreano Kim Jong-un posa para foto no Ministério da Segurança do Estado AFP/VEJA/VEJA

 

Foi também com o objetivo de valorizar o coletivo que os governos comunistas desenvolveram o gosto pelos uniformes, sejam eles militares ou escolares. Em Cuba, apesar do desabastecimento e da pobreza, as crianças sempre estão com impecáveis uniformes a caminho da aula.

 

Meninas uniformizadas indo para a escola em Camaguey, Cuba
Meninas uniformizadas indo para a escola em Camaguey, Cuba Antonio Milena/VEJA
Continua após a publicidade

 

Além da vontade de apagar a individualidade, na China existe a noção de que os que trabalham têm cabelos pretos e os aposentados são grisalhos. É por isso que muitos deixam de tingir os fios assim que deixam o emprego.

 

 

A forma mais usada para pintar o cabelo na China é com as tinturas químicas usadas em salões. Mas muitos acreditam que tomar uma sopa de galinha sedosa, que tem carne e ossos escuros, pode manter a cor dos cabelos sempre preta. Aliás, o que os chineses não comem?

 

 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês