Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Dúvidas Universais Por Duda Teixeira Os fatos internacionais que desafiam a lógica e o bom-senso explicados de maneira clara e atraente. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Os coreanos têm preferência por alguma raça de cachorro para comer?

  Dois milhões de cachorros são sacrificados para consumo humano todos os anos na Coreia do Sul. Uma crença nesse país dá conta de que existem dois tipos de cachorros. Um seria voltado para a produção de carne. Outro seria o de animais estimação, os pets, formado pelas raças conhecidas: labradores, poodles e chihuahuas. Eles […]

Por Duda Teixeira Atualizado em 30 jul 2020, 23h41 - Publicado em 20 jan 2016, 14h00
Cachorros de várias raças esperando resgate em Chungcheongnamdo, na Coreia do Sul. Cortesia Humane Society International

Cachorros de várias raças esperando resgate em Chungcheongnamdo, na Coreia do Sul. Cortesia Humane Society International

 

Dois milhões de cachorros são sacrificados para consumo humano todos os anos na Coreia do Sul. Uma crença nesse país dá conta de que existem dois tipos de cachorros. Um seria voltado para a produção de carne. Outro seria o de animais estimação, os pets, formado pelas raças conhecidas: labradores, poodles e chihuahuas. Eles seriam criados para fazer companhia, e não para virar alimento.

É uma percepção equivocada. As fazendas de cachorros que existem na Coreia do Sul são abastecidas com muitos animais de raças conhecidas. Entre eles estão os que foram abandonados pelos donos, os que ficaram velhos e aqueles que não encontraram compradores nas lojas de animais. Todos acabam nos pratos dos coreanos, que não fazem distinção dentro desse tipo de carne.

“Nos mercados e nas fazendas da Coreia do Sul, é muito comum encontrar animais com coleira, sinal de que já tiveram um dono”, diz a inglesa Wendy Higgins, diretora de comunicação da ONG Humane Society International (HSI), em Londres, que tem fechado algumas fazendas de cachorros na Coreia do Sul (na Coreia do Norte, não há informações sobre esse hábito).

A boa notícia é que, segundo uma pesquisa de opinião feita pela HSI em 2014, o hábito de comer carne de cachorro está em declínio. Metade dos coreanos nunca a experimentou. A maior parte dos que comem com alguma frequência tem mais de 60 anos. É uma mudança histórica. Por ser pequena e montanhosa, a Coreia do Sul nunca teve muito gado. Os cachorros eram uma das poucas fontes de proteína no passado. Hoje, com economia aberta, há muito mais opções no cardápio.

 

Siga o Dúvidas Universais no Twitter e no Facebook.

Continua após a publicidade

OUTRAS DÚVIDAS UNIVERSAIS

Por que Moisés demorou 40 anos para atravessar o Sinai, que só tem 200 km de largura?

Se o paraíso islâmico tem 72 virgens, que interesse teria nele uma mulher-bomba?

Na política de filho único na China, que fim levavam os gêmeos?

Por que os japoneses pescam baleias, se não comem a sua carne? 

Se Cristo nasceu em Belém, por que era conhecido como “Jesus de Nazaré”?

 

Cachorros em fazenda em Chungcheongnamdo, na Coreia do Sul. Foto cortesia da Humane Society International

Cachorros em fazenda em Chungcheongnamdo, na Coreia do Sul. Foto cortesia da Humane Society International

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)