Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Claudio Lottenberg

Mestre e doutor em Oftalmologia pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp), é presidente institucional do Instituto Coalizão Saúde e do conselho do Hospital Albert Einstein
Continua após publicidade

Parcerias público-privadas podem representar avanço na saúde

Com foco nos resultados para o paciente, a troca de experiências e tecnologias são bem-vindas

Por Claudio L. Lottenberg
Atualizado em 14 mar 2023, 13h53 - Publicado em 14 mar 2023, 13h47

Diversidade é uma palavra-chave, dentre tantas, para explicar e entender o nosso tempo. As experiências de inúmeras empresas, e pesquisas, estudos e levantamentos já mostraram que equipes com maior diversidade entre seus membros — de gênero, etnia, idade, entre outras — gera mais ideias, ampliando as possibilidades de inovação e eficiência. Talvez se possa fazer uma adaptação do conceito de diversidade para estendê-lo a parcerias entre empresas. Como funcionaria algo assim, por exemplo, entre hospitais e empresas de fora do setor de saúde?

A princípio, há vantagens mais facilmente reconhecíveis. Por exemplo, há a maior eficiência em termos de custos. Desenvolver projetos pode ser caro demais em alguns momentos, e buscar parcerias que permitam repartir esses custos pode fazer com que uma iniciativa deslanche.

Esse aspecto é particularmente relevante no contexto da saúde pública. O governo já dispõe de um órgão, o Cati (Comitê da Área de Tecnologia da Informação, ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação), e de legislação — a Lei de Informática (nº 8.248) — para incentivar essa aproximação dos setores público e privado na área da saúde. A lei, que é de 1991, foi criada num momento em que o Brasil se encontrava muito atrasado na incorporação da tecnologia digital, que ganhava velocidade em outros países.

Hoje, mais de 30 anos depois de criada, ela tem um caráter talvez até mais importante, uma vez que a saúde digital é um caminho sem volta. Com inteligência artificial auxiliando em diagnósticos, procedimentos à distância, robôs em salas de cirurgia e tantas outras aplicações, os incentivos fiscais teriam potencial para impulsionar parcerias entre hospitais e empresas de informática.

E não seriam só os hospitais a se beneficiarem desse trabalho conjunto, claro. Empresas brasileiras da área de tecnologia que trabalhem com hospitais e empresas de saúde se capacitam para lidar com um setor em altíssima demanda no mundo pós-pandemia. Equipamentos, aplicativos, processos desenvolvidos aqui podem se tornar, sim, diferenciais comerciais. Cuidados com a saúde talvez nunca tenham sido uma área tão exposta quanto nos últimos três anos; quem oferecer um produto ou serviço que traga reais ganhos de eficiência estará muito à frente de competidores.

Continua após a publicidade

Uma experiência recente, esta no setor privado, foi a parceria que o Hospital Israelita Albert Einstein fez com a Epson, fabricante de impressoras e projetores, para desenvolver um projeto que envolve realidade aumentada. Ambos trabalharam no desenvolvimento de uma experiência para facilitar a realização de exames em crianças. A experiência já entregou resultados consideráveis: em cerca de seis meses, foi possível reduzir em cerca de 40% o uso de sedativos para que as crianças fizessem tomografia computadorizada.

A questão é que vivemos um tempo em que procedimentos médicos e administrativos, na saúde como em basicamente todo e qualquer outro setor, vão embutir cada vez mais conteúdos tecnológicos. Dispositivos vestíveis, smartphones, mesmo tablets e notebooks vão auxiliar o dia a dia de pacientes e profissionais de saúde de formas irreversíveis. Aproximar hospitais e empresas especializadas em soluções de tecnologia já é inevitável, e o ideal é que se torne mesmo natural. Quanto mais próximos forem, mais facilmente cada uma saberá expor suas necessidades e ideias.

Há ainda um caminho a ser percorrido em termos de regras e controles. São ajustes finos, que com o tempo certamente virão — a realidade mesma do progresso nos serviços de saúde demandará isso. Mas que o trabalho de aproximação entre hospitais e empresas de tecnologia (principalmente, mas não só) pode ter início desde já, isso é certo. Chegará o momento em que a demanda por soluções que empreguem dispositivos digitais, aplicativos e recursos desse tipo será incontornável; para hospitais privados, estabelecer parcerias com quem tiver essa expertise será uma enorme vantagem competitiva — e para os públicos, pode representar uma economia de recursos valiosa.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.