Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Clarissa Oliveira Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores
Continua após publicidade

Não dá para Lula ser ‘o cara’ sem enxergar o que está na sua frente

Presidente brasileiro colhe desgaste ao menosprezar o cenário político na América Latina

Por Clarissa Oliveira
Atualizado em 31 Maio 2023, 15h27 - Publicado em 31 Maio 2023, 11h01

A ansiedade em se apresentar novamente como um grande líder internacional, aquele que era chamado de “o cara” por Barack Obama, parece ter produzido o pior resultado possível para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta semana. Lula convidou Nicolás Maduro ao Brasil, para reatar a relação diplomática com a Venezuela. E convocou líderes latino-americanos para colocar novamente na mesa o debate sobre a integração regional. Seria um bom plano, não fosse o óbvio.

+Leia também: Como Lula boicotou o próprio governo na cúpula dos países latinos

Um presidente da República não pode se dar o luxo de ignorar a tensão política que cerca esse assunto. Não dá para rasgar elogios a Nicolás Maduro e esperar que todos os demais chefes de Estado presentes irão concordar. Nem dá para se apresentar como grande salvador da democracia no Brasil e, ao mesmo tempo, passar pano para o autoritarismo vizinho. Lula poderia ter trabalhado a necessária retomada das relações com a Venezuela sem esses tiros no pé. Só que, mesmo sob críticas de seus pares, ele resolveu dobrar a aposta.

Ontem, Lula fez um malabarismo para defender mais uma vez Nicolás Maduro. Voltou a falar no líder venezuelano como vítima de uma “narrativa” fictícia. Chegou a ponto de comparar sua prisão na Operação Lava-Jato à situação vivida por Maduro na Venezuela. Vitimizou também Hugo Chávez. Todo mundo vítima de “narrativas”.  Jogou referências a Jair Bolsonaro nessa sopa, para dar um gostinho de jogo eleitoral ao discurso.

Continua após a publicidade

Não bastasse ignorar as tensões que esse tema é capaz de atiçar, menosprezou-se também a tensão nos corredores. O encontro de líderes latino-americanos no Palácio do Itamaraty terminou em empurra-empurra. Foi parar no Jornal Nacional, uma vez que Delis Ortiz, referência do jornalismo político em Brasília, foi acertada com um soco no peito, segundo noticiado pela apresentadora Renata Vasconcelos.

+Saiba mais: Presidente do Chile critica Lula por ‘vista grossa’ sobre regime de Maduro

Maduro teve motivos para deixar o país cheio de sorrisos. Mas, salvo uma breve menção a uma moeda comum para a América Latina – o que ninguém ali enxerga como factível no atual momento -, não restou nada relevante nesse balanço que sirva aos interesses do Brasil.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.