Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

A mais nova bravata de Jair Bolsonaro contra a TV Globo

Retórica do presidente sobre renovação da concessão da emissora há tempos não encontra ressonância nem mesmo dentro do seu governo

Por Clarissa Oliveira 14 fev 2022, 14h02

O presidente Jair Bolsonaro sabe que precisa manter sua base mais fiel contente nas redes sociais. Assim, de tempos em tempos, ele resgata a ameaça de não renovar a concessão da TV Globo. Algo parecido com o que faz frequentemente com o Supremo Tribunal Federal (STF). Quando precisa sacudir a plateia, Bolsonaro solta uma provocação numa entrevista, live ou discurso.

Além de não dispor da prerrogativa de decidir sobre a renovação da concessão da emissora – esta é uma função do Congresso Nacional, como mostrou mais cedo o repórter Victor Irajá – o fato é que há tempos o discurso de Bolsonaro sobre a TV Globo não encontra ressonância nem mesmo em seu próprio governo.

Na época em que a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) encontrava-se nas mãos de Fábio Wajngarten, expoente da ala ideológica do bolsonarismo, ouvia-se com frequência nos bastidores do Palácio do Planalto algum assessor levantando a teoria de que o governo “daria o troco” na distribuição de verbas de publicidade. Falava-se em “mídia aliada” e em “nova comunicação”. Aos poucos, virou tudo conversa para boi dormir.

Quando a área passou a ser subordinada a Fábio Faria, ministro das Comunicações, um ponto defendido exaustivamente nas reuniões internas e fora dali foi a valorização da “mídia tradicional” como parte de uma estratégia eficiente de comunicação governamental. Faria trabalhou ativamente para esclarecer, dentro do próprio governo, a necessidade de mudar o olhar do Planalto. Algo que ficou evidente na entrevista concedida por ele no ano passado ao Amarelas On Air.

E os números são prova disso. Recentemente, VEJA apontou também que a Globo voltou no ano passado a ser número um na propaganda oficial do governo. As emissoras do grupo ficaram na primeira colocação na liberação de verbas publicitárias, com R$ 65 bilhões. À frente da Record, que liderava no ano anterior e que desta vez obteve R$ 53,9 milhões em repasses. Assim, restou apenas a retórica de Bolsonaro. E da turma que adora reproduzir a hashtag #globolixo nas redes sociais.

Saiba mais: Por que Bolsonaro não pode cancelar a concessão da Globo

Reveja a entrevista de Fábio Faria ao Amarelas On Air

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)