Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Silvio Navarro: ‘Emprega-se: Tesoureiro do PT’

Saberemos em breve o que têm a dizer os papéis encontrados pela PF na sede do partido

Por Branca Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 22h25 - Publicado em 27 jun 2016, 13h23

alx_operacao-custo-brasil-pt-20160623-004_original

O Brasil pós-Dilma Rousseff já produziu quase 11 milhões de desempregados, todos ansiosos pela aparição de algum tipo de trabalho. Mas existe um cargo vago que ninguém em sã consciência parece interessado em ocupar: o de tesoureiro do Partido dos Trabalhadores. E não só pelas unhas que Delúbio Soares prometeu desencravar quando foi descoberto o Mensalão, nem pelos quilos de pixulecos que João Vaccari Neto levava na mochila, nem por tudo o que Paulo Ferreira, João de Fillipi Jr., Edinho Silva, Paulo Okamotto e Cia ainda vão contar.

O Brasil quer saber como dorme o biólogo Márcio Costa Macêdo, ex-deputado sergipano e herdeiro da contabilidade da roubalheira do partido. A Polícia Federal vasculhou o andar das finanças da sede do PT nacional, no centro de São Paulo, e achou papeis – que não são de Aracaju. O que esses papeis têm a dizer saberemos em breve.

Macêdo tem tudo para transformar-se em mais um daqueles tesoureiros-kamikazes do PT, aos quais a história vem reservando duros castigos. Ele nunca deveria ter aceitado o cargo ocupado por gente como João Vaccari Neto e outros pretéritos gurus do lulopetismo messiânico.

Mas cabe aqui uma ressalva: a tesouraria do PT e suas campanhas corruptas talvez sejam mesmo coisa para biólogos. São espécies em extinção.

Num dos mais momentos históricos do Mensalão, o ainda deputado Roberto Jefferson encarou José Dirceu, até então festejado como o maior dos enxadristas políticos, e deu um conselho profético:

─ Saí daí, Zé! Saí logo daí, Zé!

O recado sem prazo de validade deveria ser ouvido por todos os tesoureiros do PT.

Continua após a publicidade

Publicidade