Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Reynaldo-BH: Era uma vez…

REYNALDO ROCHA Era uma vez… Assim começam as histórias da Carochinha. Jamais o professor Marco Antonio Villa começaria um livro assim. Como não sou historiador nem jornalista, não só começo dessa maneira como emendo: “em um reino distante da civilização…”.

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 04h55 - Publicado em 28 nov 2013, 07h05

REYNALDO ROCHA

Era uma vez…

Assim começam as histórias da Carochinha. Jamais o professor Marco Antonio Villa começaria um livro assim. Como não sou historiador nem jornalista, não só começo dessa maneira como emendo: “em um reino distante da civilização…”.

Pronto: falamos do Brasil. Nesta estranha terra, havia um advogado que não advogava. Que era consultor econômico sem nunca ter lido um manual de contabilidade. Que se dizia especialista em política e jamais citou um autor de sociologia política. Como a terra era única em suas idiossincrasias, era o consultor de maior sucesso na história desta terra.

Também não se conheciam os clientes do consultor. Nem mesmo o que era ofertado como serviço. Mas era caro. Muito caro.

Quis o destino que o consultor-mor fosse parar no xilindró. Não estava preso pelas consultorias, mas pelos serviços prestados (e ele mesmo e alguns amigos) antes da fase empresarial.

Vendo o sol nascer quadrado, usou da lei para se candidatar a trabalhar fora dos muros da prisão.

Os advogados do consultor-fantasma já estavam preparados para o pedido do benefício. O reino da mediocridade imperial se perguntava: saberemos enfim o que faz o consultor? De que vive? Que tipo de trabalho presta?

Continua após a publicidade

E veio a surpresa. O fim do mundo não é fim, o limite é ilimitado e o poço nunca tem fundo, só início para outro poço.

O consultor trabalhava em hotel! Era tão claro e nunca percebemos. Os escritórios e gabinetes quando o consultor-de-qualquer-coisa trabalhava foram transferidos para quartos de hotel. Nada mais justo que o retorno ao habitat natural.

Seria maître, recepcionista, mensageiro ou camareiro? Certamente não. As profissões honestas nunca ganharam o que o consultor fake ganhou.

O consultor-condenado vai trabalhar NO HOTEL e não PARA o hotel. Localização privilegiada: ao lado do Congresso, da Esplanada dos Ministros e do Palácio do Planalto.

O consultor-bolivariano não sente vergonha. Nunca sentiu. A seu (dele) favor é preciso que se diga: age às claras. Sem nunca se importar com miudezas como honestidade, decência e um mínimo de vergonha na cara!

O consultor-de-era-da-mediocridade, bandido condenado, capitão de um time de batedores de carteira, chefe dos trombadinhas, o orgulhoso ladrão que se assume com tal, encontrou a saída da cadeia: um HOTEL.

O pedido é um escárnio. A sentença transformou-se em hospedagem. Fará no hotel o que sempre fez. Continuará cometendo os crimes que o levaram para trás das grades.

No país dos escadinhas ─ o Brasil deles ─ a terra encantada transforma presídio em hotel e bandidos condenados em bandidos em atuação.

Era uma vez…

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês