Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Imagens em Movimento: O surgimento de um vagabundo chamado Carlitos

Atualizado às 6h50 SYLVIO DO AMARAL ROCHA Um dos maiores gênios da Sétima Arte, Charles Chaplin começou no cinema por dinheiro. Além de dobrar o salário, acreditou que um ano seria suficiente para voltar aos teatros como um astro consagrado. Sua trajetória na frente das câmeras foi meteórica. Em fevereiro de 1914 filmou seis curtas. […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 02h00 - Publicado em 2 mar 2015, 07h50

Atualizado às 6h50

chaplin-charlie-city-lights

SYLVIO DO AMARAL ROCHA

Um dos maiores gênios da Sétima Arte, Charles Chaplin começou no cinema por dinheiro. Além de dobrar o salário, acreditou que um ano seria suficiente para voltar aos teatros como um astro consagrado.

Sua trajetória na frente das câmeras foi meteórica. Em fevereiro de 1914 filmou seis curtas. No primeiro, Making a Living (traduzido como Carlitos Repórter), Chaplin interpretou um vigarista que queria ser repórter de um jornal. Na encenação é possível notar os trejeitos inspirados na commedia dell’arte que o imortalizariam.

Continua após a publicidade

O segundo e terceiro disputam o pódio da primeira vez em que Chaplin vestiu as roupas de vagabundo e incorporou Carlitos. Mabel’s Strange Predicament (Carlitos no Hotel) e Kid Auto Race in Venice (Corridas de Automóveis para Meninos) foram filmados no mesmo período e lançados quase simultaneamente. Embora Kid tenha sido exibido primeiro, Mabel’s foi rodado antes.

O que aconteceu daquele fevereiro em diante todos sabem. Chaplin, com seu personagem de chapéu coco, bengala e smoking surrado, tornou-se um ícone, criador de clichês repetidos nos quatro cantos do planeta e intérprete de cenas inesquecíveis até para quem não se interessa tanto por cinema.

A almejada autonomia foi conquistada já em 1917. Com o público nas mãos, Chaplin teve liberdade para criar. Em 1931, lançou o que muitos consideram sua obra prima: City Lights (Luzes da Cidade), que demorou incríveis dois anos e oito meses para ficar pronto – foram 190 dias só de filmagem.

Lançado durante os últimos suspiros do cinema mudo – os filmes falados caíam cada vez mais no gosto do público e todos desejavam ouvir a voz do adorável vagabundo –, Chaplin optou por seguir fazendo o que sabia melhor: a linguagem corporal, compreendida por todos, sem a necessidade de tradução ou legendas.

Desta vez ele conseguiu surpreender ainda mais o público. Além de escrever a historia, dirigir e interpretar, compôs a trilha sonora – o que passaria a fazer dali em diante –, comprovando que sua inventividade não tinha limites.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=-j2K3A1S5ak?wmode=transparent&fs=1&hl=en&modestbranding=1&iv_load_policy=3&showsearch=0&rel=1&theme=dark&w=425&h=344%5D

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês