Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Fernando Gabeira: Cabral chegou por acaso?

Justiça do Rio sempre foi muito gentil com ele. Todo o establishment, aliás

Por Augusto Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 21h18 - Publicado em 19 nov 2016, 07h11

Publicado no Globo

Com todo o respeito pelas pessoas que ficaram atônitas com a prisão de Sérgio Cabral, para muitos de nós, ela já estava demorando.

Os indícios de que Cabral enriquecia e os habitantes do Estado ficavam mais pobres não datam de hoje, quando se tornaram escandalosamente visíveis. As imagens que se repetem hoje, dos homens usando guardanapos na cabeça após jantares luxuosos, ou das mulheres ostentando os sapatos Christian Louboutin, foram divulgados há alguns anos. As relações promíscuas com o empresário Fernando Cavendish também ficaram explícitas com um desastre de helicóptero na Bahia.

Nada acontecia com Cabral. Aqui e ali, vazamentos de delações premiadas indicavam seu nome. Mas até algumas semanas atrás ele dizia que tinha tudo para andar nas ruas de cabeça erguida. Desde 2013 as ruas ficaram bastante desconfortáveis para ele. No entanto, nada acontecia na dimensão legal.

Cabral viveu a euforia do petróleo, momentos de riqueza que escorreram pelos dedos mas reforçaram nele sua sensação de importância. Além disso, era o amigo de Lula, o homem que ordenava as obras federais.

Talvez haja um traço de arrogância juvenil em sua personalidade. O fato é que as circunstâncias o transformaram num homem autoconfiante que tinha como objetivo viver a vida dos muito ricos. Onde comem? Com que helicópteros se deslocam? Que joias cobrem o corpo de suas mulheres? A queda de Sérgio Cabral é apenas mais um dado do fim de uma época, marcada pela crise do petróleo, pela descoberta da corrupção sistêmica e pela quebradeira do Rio.

A Justiça do Rio sempre foi muito gentil com ele. Todo o establishment, aliás. O Estado nadava em dinheiro, o PMDB parecia o horizonte possível de nossa felicidade.

Cabral aconteceu por acaso ou sua efêmera glória foi intencional? Perguntas que valeram para 1.500, podem ter alguma utilidade aqui e agora.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês