Clique e assine a partir de 9,90/mês

Terremotos deram origem a mais de 80% dos depósitos de ouro do planeta

Rápida despressurização em falhas geológicas provoca o acúmulo do metal

Por Da Redação - Atualizado em 6 Maio 2016, 16h22 - Publicado em 18 mar 2013, 18h57

Mais de 80% dos depósitos de ouro do mundo se formaram a partir de terremotos. Um estudo desenvolvido por pesquisadores australianos mostra que o precioso metal se forma em virtude da despressurização rápida de fluidos ricos em minerais presentes no interior da crosta terrestre, provocada pelos abalos sísmicos. A pesquisa foi publicada neste domingo, na revista Nature Geoscience.

Conheça a pesquisa

TÍTULO ORIGINAL: Flash vaporization during earthquakes evidenced by gold deposits

ONDE FOI DIVULGADA: revista Nature Geoscience

QUEM FEZ: Dion K. Weatherley e Richard W. Henley

INSTITUIÇÃO: Universidade de Queensland, Austrália

Continua após a publicidade

RESULTADO: A ampla despressurização causada por terremotos faz com que fluidos ricos em minerais ‘presos’ nas cavidades de falhas geológicas, no interior da crosta terrestre, vaporizem-se instantaneamente, formando um vapor de baixa densidade. Dessa forma, eles deixam as partículas minerais para trás, que se acumulam ao longo dos anos e dos diversos abalos sísmicos.

Em profundidades que variam de 5 a 30 quilômetros, fluidos com diversas substâncias dissolvidas, como ouro e minerais, presentes nas cavidades de falhas geológicas da crosta terrestre são submetidos a temperatura e pressão elevadas. Terremotos nessas regiões podem causar uma queda de pressão tão grande que faz com que esses líquidos se vaporizem instantaneamente.

Queda de pressão – De acordo com os pesquisadores, a pressão pode cair de 3.000 vezes a pressão atmosférica para uma pressão quase idêntica à da superfície da Terra, o que faz com que o fluido passe por um processo de “vaporização instantânea”. A despressurização faz com que os fluidos sofram uma expansão de até 130.000 vezes seu tamanho, formando um vapor de baixa densidade.

Quando isso ocorre, os resíduos sólidos presentes no fluido, como o ouro, ficam para trás, acumulando-se ao longo do tempo. Mais tarde, a entrada de novos fluidos nas cavidades pode dissolver alguns dos minerais deixados para trás, mas aqueles menos solúveis, como o ouro, vão se acumulando cada vez mais à medida que novos terremotos ocorrem.

Os autores do estudo estimam que falhas geológicas ativas podem produzir 100 toneladas de ouro em menos de 100.000 anos.

A ideia com que depósitos de ouro se formam a partir de fluidos ricos em minerais em falhas nas rochas abaixo do solo já era conhecida dos geólogos, mas a maneira como o ouro se acumula não estava clara, pois não se supunha que as mudanças de pressão desencadeadas por terremotos fossem tão grandes quanto as estimadas no estudo.

Continua após a publicidade
Publicidade