Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Sistema em 3D vai ajudar astronautas a realizar cirurgias no espaço

Tecnologia desenvolvida pela Agência Espacial Europeia vai dar autonomia médica a astronautas em missões longe da Terra

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h46 - Publicado em 8 fev 2012, 09h25

A ESA (Agência Espacial Europeia) anunciou nesta terça-feira que um sistema computadorizado baseado na tecnologia de realidade aumentada vai ajudar astronautas no espaço a realizar cirurgias e cuidar de outros problemas de saúde sem ajuda externa. O sistema está em fase final de testes e foi pensado para ajudar astronautas em missões onde a comunicação é difícil. O projeto foi desenvolvido por dois centros de pesquisa alemães e um consórcio de aplicações espaciais com sede na Bélgica e foi batizado como Sistema de Diagnósticos Médicos e Cirurgia Assistida por Computador (CAMDASS, na sigla em inglês).

Basicamente, o equipamento permite que astronautas possam realizar processos médicos de emergência sem a comunicação com especialistas na Terra. Com uma imagem do corpo do paciente, o aparelho produz gráficos em três dimensões que revelam não só o diagnóstico, como a forma tratar o problema.

CAMDASS em ação em experimento demonstrativo na Bélgica

Testes realizados em um hospital em Bruxelas demonstraram que usuários sem experiência médica puderam realizar procedimentos relativamente difíceis graças às orientações gráficas do CAMDASS. No caso de cirurgias, o sistema vai mostrar onde fazer as incisões, como resolver o problema e como costurar os cortes.

Com este avanço, indicou a ESA, os astronautas poderão solucionar problemas médicos por conta própria. À medida que as espaçonaves se afastam da Terra aumenta a possibilidade de interferências nas comunicações com a base. Por isso, essa tecnologia poderá salvar a vida dos astronautas em caso de emergências.

O CAMDASS, acrescentou a ESA, também poderia ser usado como um sistema de “medicina via satélite para prestar primeiros socorros em países em vias de desenvolvimento ou na Antártida”.

(Com informações da Agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade