Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Reprodução assistida com ‘três pais’ avança na Grã-Bretanha

Procedimento utiliza o óvulo da mãe e o de uma doadora, e é feito para evitar a transmissão de doenças genéticas

Por Juliana Santos Atualizado em 6 Maio 2016, 16h06 - Publicado em 3 fev 2015, 18h58

A Câmara dos Comuns da Grã-Bretanha aprovou nesta terça-feira uma técnica que utiliza material genético de três pessoas para gerar um embrião. O método de reprodução assistida, denominado de doação mitocondrial, tem como objetivo evitar a transmissão de doenças genéticas.

Doação de mitocôndria

Os membros da Câmara dos Comuns puderam exercer o voto livre, sem se submeter à disciplina de seus partidos, por se tratar de um tema sensível, e o resultado foi 382 votos a favor e 128 contra. Se a lei passar também na Câmara dos Lordes, a Grã-Bretanha se tornará o primeiro Estado a legalizar a reprodução assistida com genes de três pessoas.

A técnica foi aprovada para casos em que a mãe tenha uma alteração mitocondrial que possa transmitir doenças ao filho, como cegueira, epilepsia, problemas mentais graves e fraqueza muscular. O método consiste em misturar o DNA mitocondrial de uma doadora saudável com o núcleo do óvulo da mãe, que contém o DNA comum e é responsável por nossas características físicas e a maior parte das condições de saúde.

Estima-se que doenças mitocondriais leves afetem uma a cada 200 crianças nascidas, e os casos mais severos, uma a cada 6 000. De acordo com Ciro Martinhago, geneticista especializado em medicina reprodutiva e diretor da Chromosome Medicina Genômica, esse número pode ser ainda maior, uma vez que o diagnóstico de doenças causadas por alterações nas mitocôndrias é difícil.

Leia também:

Brasil mantém taxa internacional de fertilização in vitro

Continua após a publicidade

Nasce na Suécia primeiro bebê de útero transplantado

Herança genética – “Não é correto dizer que a criança vai ter duas mães, o DNA está quase todo no núcleo. É o mesmo que dizer isso de uma pessoa que passou por um transplante, por exemplo”, afirma Mayana Zatz, geneticista da Universidade de São Paulo. O DNA da mitocôndria corresponde a 0,02% dos genes de uma pessoa, enquanto os demais 99,8% são o DNA que está no núcleo das nossas células.

“Se formos pensar assim, nós já temos três tipos de DNA, da mitocôndria, do pai e da mãe”, concorda Martinhago. “A mitocôndria é como outro organismo na nossa célula, é quase independente, apenas produz energia.”

Brasil – Atualmente, as normas do Conselho Federal de Medicina não permitem a manipulação genética de embriões no Brasil, por isso essa técnica não pode ser realizada. Os especialistas relatam, porém, que métodos parecidos são aplicados sem controle, como a injeção de citoplasma de uma célula mais jovem no óvulo de mulheres mais velhas que querem engravidar.

“Espero que a decisão da Grã-Bretanha sirva como incentivo ao Brasil. Nós já temos a tecnologia para implantar esse procedimento por aqui, quando ele for permitido”, afirma Martinhago. Para Mayana, a decisão seria um passo importante para permitir que mulheres com doenças mitocondriais tenham filhos sem os riscos de problemas mais graves.

(Com Agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade