Clique e assine a partir de 9,90/mês

Esta quinta-feira será a melhor data do ano para observar Saturno

Pela manhã, a Terra ficará entre o planeta e o Sol, fenômeno conhecido como oposição. À noite, Saturno atinge o ponto mais próximo de nós

Por Julia Moura - Atualizado em 15 jun 2017, 11h53 - Publicado em 14 jun 2017, 18h47

Esta quinta-feira será o melhor data do ano para observar Saturno, o sexto planeta do sistema solar. Às 7h18 da manhã, a Terra ficará exatamente entre o planeta e o Sol, momento conhecido pelos astrônomos como oposição, e, às 21h50, o Saturno estará no ponto mais próximo em relação a nós. Nesse momento, Saturno será o astro mais brilhante do céu, sendo visível sem a ajuda de instrumentos durante toda a noite.

“O lado do planeta virado para a Terra estará totalmente iluminado pelo Sol, um fenômeno que acontece a cada 54 semanas — 12 meses e meio. A rigor, isso acontece apenas no instante exato da oposição, quando o Sol já tiver nascido. Mas, na prática, Saturno estará muito iluminado durante a noite desta quinta-feira”, afirma o astrônomo e físico Gustavo Rojas, pesquisador da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e membro da comissão de imprensa da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB).

O planeta vai surgir ao anoitecer na constelação do Serpentário, próximo a constelação de Escorpião, à Leste. Ao decorrer da noite, o planeta vai subir no mapa celeste e, perto do amanhecer, estará ao Norte. Segundo o astrônomo, o planeta poderá ser visto com facilidade durante todo o mês de junho e, com a ajuda de pequenos telescópios, até mesmo a maior lua de Saturno, Titã, poderá ser observada.

Quanto mais escuro estiver o céu, melhor será a observação do planeta e, por isso, os especialistas recomendam procurar áreas livres de poluição luminosa, como os centros de grandes cidades.

Continua após a publicidade

“Por ser um objeto brilhante, Saturno será de fácil visibilidade em locais sem nuvens. Entretanto, para contemplar melhor a beleza do planeta, o ideal é buscar, além de locais de céu livre de nuvens, áreas de pouca iluminação e pouca poluição do ar”, afirma a astrônoma Diana Andrade, do Observatório do Valongo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Para encontrar o planeta no céu, alguns aplicativos de observação celeste, como o Sky Map, podem ajudar.

Publicidade