Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Pesquisadores clonam ratos a partir de células secas congeladas

Técnica abre novas possibilidades para a preservação de espécies ameaçadas e pode oferecer alternativa mais barata à conservação de células em nitrogênio

Por André Sollitto 6 jul 2022, 12h57

Cientistas japoneses conseguiram clonar ratos a partir de células de pele seca congeladas. É a primeira vez que o procedimento é realizado com sucesso e a técnica abre novas possibilidades de preservação de espécies ameaçadas de extinção.

Pesquisadores já haviam usado células congeladas para produzir clones antes, mas esse material genético é normalmente armazenado em nitrogênio líquido, caro e instável. No caso de falta de eletricidade, por exemplo, as células podem derreter. “Se essas células puderem ser preservadas sem nitrogênio líquido usando a tecnologia de liofilização, isso permitirá que os recursos genéticos de todo o mundo sejam armazenados de forma barata e segura”, afirmou o professor Teruhiko Wakayama, líder da pesquisa da Universidade de Yamanashi, no Japão, ao jornal The Guardian.

O processo envolve duas etapas de clonagem. Em um primeiro momento, células secas da pele do rabo de ratos foram congeladas usando o método e estocadas durante nove meses. Essas células morrem, mas ainda podem ser usadas para gerar clones de embriões ao serem inseridas em ovos de ratos que tiveram seus núcleos removidos.

As células-tronco dos blastocistos, como são conhecidos esses embriões, foram inseridas em óvulos de camundongos esvaziados de seus próprios núcleos. No total, 75 ratos foram clonados. Nove fêmeas e três machos da ninhada de clones foram cruzados com animais normais e todos tiveram filhotes.

A descoberta oferece uma alternativa para que países estoquem células de animais que correm risco de extinção, como uma forma de seguro para manter a diversidade genética. O processo, no entanto, ainda é considerado ineficiente e precisa ser aprimorado. A taxa de sucesso na criação de clones saudáveis foi de apenas 5,4%, e ainda não se sabe se a conservação a longo prazo é possível.

Os resultados da pesquisa foram publicados na Nature.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)