Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pesquisa encontra substância que pode prever evolução do Alzheimer

Níveis mais elevados da proteína VILIP-1 podem indicar uma deterioração mais rápida da capacidade mental de pacientes

Um novo marcador (substância que ajuda a identificar a presença de uma doença) pode prever a velocidade com que a Doença de Alzheimer comprometerá a memória e outras habilidades mentais de um paciente. O estudo, publicado na revista Neurology, foi realizado na Escola de Medicina da Universidade de Washington em St. Louis, nos Estados Unidos.

Opinião do especialista

Ivan Okamoto

neurologista do Hospital Albert Einstein (SP)

Nessa área, a intenção dos especialistas é identificar quem são as pessoas com maior risco de desenvolver a doença. Muitas pesquisas têm trabalhado nisso.

O estudo da Universidade de Washington é importante porque identificou um marcador do Alzheimer, o que pode ajudar a identificar essas pessoas, antes mesmo que elas apresentem uma manifestação clínica da doença. Estimamos que ela comece a se desenvolver em um indivíduo entre 10 e 15 anos antes de qualquer sintoma aparecer.

Mas é importante esclarecer que a VILIP-1 não é um biomarcador, ou seja, ela não vai dizer se a pessoa tem ou vai ter Alzheimer com certeza, mas apenas indica aqueles que possuem mais chance de desenvolver a doença.

Os cientistas acompanharam 60 portadores de Alzheimer e observaram que níveis elevados da proteína VILIP-1 no líquido cefalorraquidiano – localizado entre o crânio e o córtex cerebral – estavam fortemente ligados a uma deterioração mais rápida da capacidade mental desses pacientes com o passar dos anos.

Os pesquisadores consideram necessário confirmar os resultados com estudos clínicos mais amplos, mas os novos dados já sugerem que o VILIP-1 pode ser superior aos marcadores usados atualmente. “O VILIP-1 parece ser um indicador muito bom do dano causado pela doença de Alzheimer”, disse Rawan Tarawneh, principal autora da pesquisa.

Para o estudo, os pesquisadores mediram inicialmente os níveis de VILIP-10 dos pacientes com Alzheimer leve ou muito leve, além de avaliarem as suas habilidades mentais com uma complexa lista de testes, que foram repetidos anualmente. “Memória e outras habilidades mentais declinaram mais rapidamente em pacientes com os mais altos níveis de VILIP-1”, afirmou Tarawneh.

Em pesquisa anterior, Tarawneh e outros cientistas já haviam mostrado que indivíduos saudáveis, mas com altos níveis de VILIP-1, tiveram maior propensão do que a média da população a desenvolver deterioração cognitiva e doença de Alzheimer no período de dois a três anos seguintes. Agora, os cientistas da Universidade de Washington estão trabalhando para tentar padronizar os testes de medição de VILIP-1 para uso ampliado em pesquisas.

Saiba mais sobre Alzheimer nos vídeos abaixo:

  • Causas
  • Prevenção
  • Tratamento

David Schlesinger, pesquisador no Instituto do Cérebro do Hospital Albert Einstein fala sobre a doença de Alzheimer. Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo

O que é a doença de Alzheimer?

Como o Alzheimer afeta a nossa memória?

Existe alguma causa específica para o Alzheimer?

O Alzheimer é hereditário?

  • O que é a doença de Alzheimer?
  • Como o Alzheimer afeta a nossa memória?
  • Existe alguma causa específica para o Alzheimer?
  • O Alzheimer é hereditário?

Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo

Existe alguma doença que possa desencadear o Alzheimer?

Quais são os principais sintomas?

Com qual idade começam a aparecer os primeiros sintomas?

Existe algum exame que possa detectar a doença precocemente?

Vitaminas ou alimentos podem proteger contra a doença?

É possível se prevenir contra a doença?

  • Existe alguma doença que possa desencadear o Alzheimer?
  • Quais são os principais sintomas?
  • Com qual idade começam a aparecer os primeiros sintomas?
  • Existe algum exame que possa detectar a doença precocemente?
  • Vitaminas ou alimentos podem proteger contra a doença?
  • É possível se prevenir contra a doença?

Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo

Existe cura para o Alzheimer?

Quais são os tratamentos mais promissores?

Como as células-tronco podem mudar o tratamento da doença no futuro?

Qual o tratamento mais utilizado hoje em dia?

  • Existe cura para o Alzheimer?
  • Quais são os tratamentos mais promissores?
  • Como as células-tronco podem mudar o tratamento da doença no futuro?
  • Qual o tratamento mais utilizado hoje em dia?

*O conteúdo destes vídeos é um serviço de informação e não pode substituir uma consulta médica. Em caso de problemas de saúde, procure um médico.

(Com Agence France-Presse)