Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

James Webb permite estudo inédito de formações estelares distantes

Imagens captadas permitiram identificar a relação entre a formação de aglomerados e a evolução das galáxias após o Big Bang

Por Marília Monitchele
Atualizado em 6 fev 2023, 16h16 - Publicado em 6 fev 2023, 16h16

O Telescópio Espacial James Webb vem trazendo imagens estonteantes do espaço e contribuindo para descobertas inéditas em diversos campos da astronomia. Suas lentes captaram imagens inéditas de aglomerados de galáxias que permitiram um estudo inédito sobre as estruturas complexas desses sistemas estelares. No artigo, publicado no periódico científico Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, pesquisadores da Universidade de Estocolmo, na Suécia, apresentaram aglomerados detectados em 18 galáxias e estudam a primeira fase de formação de estrelas.

Os aglomerados examinados pela equipe são tão massivos que desviam os raios de luz, confirmando o que Albert Einstein teorizou em 1915. Essa interação produz uma espécie de efeito de lupa, fazendo com que as imagens das galáxias de fundo sejam ampliadas.

Este efeito somado às imagens de altíssima resolução do James Webb possibilitou a observação de aglomerados estelares, estruturas galácticas muito compactas que se formaram da mesma nuvem de gás e, portanto, têm a mesma idade, composição química primordial e, aproximadamente, a mesma distância.

Os novos dados permitiram que os astrônomos estudassem a relação entre a formação de aglomerados e a evolução da galáxia alguns milhões de anos depois do Big Bang. Sem as contribuições do James Webb esse tipo de estudo não seria possível. Algumas galáxias estudadas estão muito distantes, entre elas, a galáxia mais antiga do estudo, que é vista como era há 13 bilhões de anos, quando o universo era um jovem de 680 milhões de anos, bem longe dos atuais quase 13,7 bilhões.

“As imagens do Telescópio Espacial James Webb mostram que agora podemos detectar estruturas muito pequenas dentro de galáxias muito distantes e que podemos ver esses aglomerados em muitas dessas galáxias. O telescópio é um divisor de águas para todo o campo de pesquisa e nos ajuda a entender como as galáxias se formam e evoluem”, disse Angela Adamo, uma das principais autoras do estudo, em comunicado à imprensa.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.