Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estudo mostra que golfinhos se chamam pelo “nome”

Pesquisa escocesa aponta que em um grupo de golfinhos cada um deles é identificado por um tipo de assobio, uma espécie de assinatura sonora

Por Da Redação
Atualizado em 6 Maio 2016, 16h18 - Publicado em 23 jul 2013, 16h17

Cientistas encontraram evidências de que os golfinhos chamam uns aos outros por seu “nome”. Segundo estudo da Universidade de Saint Andrews, na Escócia, publicado no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences, esses mamíferos marinhos usam um assobio específico para identificar cada um dos membros do grupo – que respondem quando escutam esse som.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Bottlenose dolphins can use learned vocal labels to address each other

Onde foi divulgada: periódico Proceedings of the National Academy of Sciences

Quem fez: Stephanie L. King e Vincent M. Janik

Instituição: Universidade de Saint Andrews, na Escócia

Continua após a publicidade

Resultado: Após gravar e tocar diversos assobios, os pesquisadores descobriram que golfinhos respondem apenas ao seu próprio “nome”, ou seja, uma assinatura sonora que os identifica.

“Os golfinhos vivem em alto-mar, sem nenhum ponto de referência, e precisam permanecer juntos como grupo”, afirma Vincent Janik, pesquisador da Unidade de Pesquisa de Mamíferos Marítimos da universidade escocesa e um dos autores do estudo. “É necessário um sistema muito eficaz para mantê-los unidos.”

Pesquisas anteriores já haviam demonstrado que esses assobios eram utilizados com frequência pelos animais, e que os golfinhos de um mesmo grupo eram capazes de emitir sons diferentes. Porém, esta é a primeira vez que se estuda a maneira como esses animais reagem aos assobios.

Estudo – Para realizar o estudo, os cientistas localizaram um grupo de golfinhos-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) e gravaram o som que identificava cada de um deles – uma espécie de assinatura sonora. Eles então usaram alto-falantes para reproduzir debaixo d’água esses sons, juntamente com outros assobios. Os resultados mostraram que os golfinhos só atendiam ao seu próprio “nome”.

Segundo Janik, essa habilidade provavelmente surgiu para manter o grupo unido. “Na maioria das vezes, eles não conseguem se ver, não conseguem usar o olfato na água (um sentido muito importante para o reconhecimento dos mamíferos) e, além disso, não permanecem em um só lugar – não têm ninhos ou tocas para onde voltar”, explica.

Continua após a publicidade

Os pesquisadores acreditam que esta é a primeira vez que esse tipo de comportamento é observado entre animais, embora existam estudos que sugerem que algumas espécies de papagaios também possam usar sons para nomear seus pares.

Leia também:

‘Cultura da esponja’ dita afinidade entre golfinhos, diz estudo

Mangustos listrados emitem sons parecidos com o dos humanos

(Com agência Efe)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.