Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Estudo investiga gravidez em mulheres que se declaram virgens

Em uma pesquisa com mais de 5 000 participantes que engravidaram, cerca de 0,5% afirmou não ter tido relação sexual

Um estudo publicado nesta terça-feira no periódico British Medical Journal investigou casos de mulheres que dizem ter engravidado sem perder a virgindade. Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, nos Estados Unidos, não se preocuparam em verificar a hipótese de que alguma delas tenha de fato concebido por milagre, como a Virgem Maria da tradição cristã, mas buscaram entender o que levou as participantes a se declararem virgens.

Os cientistas analisaram a incidência de gestações alegadamente ocorridas sem ato sexual, a partir de entrevistas realizadas ao longo de catorze anos com 7 870 americanas. No início do estudo, em 1994, as mulheres ouvidas tinham entre 12 e 18 anos.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Like a virgin (mother): analysis of data from a longitudinal, US population representative sample survey

Onde foi divulgada: Periódico British Medical Journal

Quem fez: Amy H Herring, Samantha M Attard, Penny Gordon-Larsen, William H Joyner e Carolyn T Halpern

Instituição: Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, nos Estados Unidos

Dados de amostragem: Entrevistas com 7 780 mulheres por catorze anos

Resultado: Os pesquisadores descobriram que 45 das mulheres que engravidaram afirmaram ser virgens – elas eram mais propensas a realizar votos de castidade e a conversar pouco com os pais sobre sexualidade

As voluntárias foram questionadas sobre métodos contraceptivos e sexo, além da importância da religião e da adoção de voto de castidade. Seus pais informaram o quanto conversavam com as filhas sobre sexo ou métodos de controle de natalidade, enquanto professores esclareceram se as escolas onde as voluntárias estudaram ofereciam aulas de educação sexual.

Das 7 780 garotas, 5 340 engravidaram, sendo que 45 delas (cerca de 0,5%) disseram não ter tido relação sexual – o critério para definir virgindade foi a ocorrência (ou não) de penetração – nem recorrido a métodos de reprodução assistida.

Segundo a pesquisa, 30,5% das mães virgens fizeram voto de castidade, ante 15% das demais grávidas. Além disso, 28% dos pais das virgens que engravidaram admitiram conversar pouco sobre sexualidade e métodos contraceptivos com suas filhas, índice que caiu para 2% entre os pais das outras gestantes.

Apesar dos cuidados adotados para garantir a veracidade das respostas (as voluntárias responderam ao questionário em vídeos que gravaram sozinhas, de modo a se sentir menos inibidas para falar), os autores do estudo afirmam que declarações sobre temas sensíveis são mais suscetíveis a erros.

“A ocorrência de gravidez em virgens mostrou-se associada a fatores culturais que valorizam a virgindade, especificamente a castidade, e a pouca conversa sobre sexo e métodos contraceptivos entre pais e filhas”, afirmaram os pesquisadores.

Leia também:

Sexo e adolescência: como tratar o assunto

Carmita Abdo fala sobre relacionamento, sexo e amor