Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estudo identifica mecanismo que inibe pensamentos indesejados

O neurotransmissor responsável por suprimir memórias ruins foi identificado pela primeira vez. A descoberta pode ajudar no tratamento de doenças mentais

Por Da redação
Atualizado em 4 jun 2024, 20h21 - Publicado em 3 nov 2017, 13h45

Cientistas identificaram uma substância no cérebro que pode ser usada para suprimir pensamentos indesejados, segundo um estudo divulgado nesta sexta-feira na revista científica Nature Communications. De acordo com os pesquisadores, pessoas que apresentam doenças como ansiedade, estresse pós-traumático, depressão e esquizofrenia têm dificuldade recorrente para afastar esses pensamentos devido a um desequilíbrio na quantidade dessa substância presente no cérebro. Por isso, desenvolver uma forma de regular esse mecanismo poderia ajudar a tratar esses distúrbios.

“A habilidade de controlar nossos pensamentos é fundamental para o bem-estar”, afirma o em comunicado o coautor do estudo, o neurocientista Michael Anderson, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. “Quando perdemos essa capacidade, surgem os sintomas mais debilitantes das doenças psiquiátricas: memórias e imagens indesejadas, alucinações, ruminações [pensamentos obsessivos] e preocupações patológicas e persistentes. Todos esses são os sintomas principais de doenças mentais.”

Anderson compara a habilidade de afastar pensamentos negativos com o ato de impedir alguma ação física impulsiva. Segundo ele, da mesma forma que existem mecanismos no nosso cérebro para impedir que certos reflexos ocorram quando podem ser perigosos para o indivíduo, há um mecanismo mental para impedir pensamentos “tóxicos”. Uma das regiões que os cientistas já sabem que desempenha um importante papel no controle tanto das ações quanto dos pensamentos é o córtex pré-frontal. Ele atua como um regulador mestre das outras partes do cérebro – o córtex motor, no caso das ações, e o hipocampo, no caso das memórias.

Mas, com o novo estudo, os pesquisadores puderam ser ainda mais específicos – eles conseguiram apontar o neurotransmissor (substância que regula a passagem de uma mensagem entre os nervos do cérebro) responsável por suprimir os pensamentos indesejados, conhecido como GABA. Quando ele é liberado por um nervo cerebral, impede que a mensagem se propague aos demais, “cortando” o pensamento. A concentração deste neurotransmissor no hipocampo de um paciente é o que determina sua habilidade de suprimir essas mensagens e impedir que elas fiquem voltando à mente.

Continua após a publicidade

Pensamentos

Para chegar a essa conclusão, Anderson e sua equipe realizaram um experimento batizado de “Pense/Não Pense”. Os participantes eram ensinados a ligar duas palavras que, em outros contextos, estariam completamente desconectadas, como “calvície” e “barata”, por exemplo. Na etapa seguinte, eles eram expostos a uma das palavras e deveriam lembrar-se da palavra associada, se o sinal fosse verde, ou tentar não pensar nela, se o sinal fosse vermelho. Dessa forma, se a palavra “calvície” aparecesse na tela em verde, os voluntários deveriam pensar em “barata” – mas, se aparecesse em vermelho, eles tinham de ficar encarando o painel e tentando evitar a associação.

Enquanto o experimento era realizado, os pesquisadores utilizavam uma combinação de imagens de ressonância magnética e espectroscopia para observar o que estava acontecendo em cada região do cérebro. A espectroscopia ajuda os cientistas a tirar um “raio-X químico” do cérebro, identificando quais substâncias estão em atividade durante a tarefa. Assim, Anderson e sua equipe perceberam que havia uma correlação entre a concentração do neurotransmissor GABA e a habilidade de suprimir os pensamentos.

A descoberta ainda poderia responder a uma das maiores dúvidas encontradas em estudos sobre a esquizofrenia, que está relacionada ao papel do hipocampo na doença. Pesquisas anteriores mostraram que pessoas afetadas pela esquizofrenia possuem essa parte do cérebro “hiperativa”, o que estaria relacionado a sintomas com o aparecimento de alucinações. Outros estudos, realizados após a morte dos pacientes, revelaram que os neurônios inibitórios (que usam o GABA) nos hipocampos desses indivíduos estão comprometidos, possivelmente tornando mais difícil para o córtex pré-frontal regular a atividade da estrutura. Isso leva os pesquisadores a concluir que o hipocampo não está inibindo pensamentos e memórias indesejadas, e que isso poderia se manifestar na forma de alucinações.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.