Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Curiosity encontra sinais de água em Marte

Sonda descobriu pedras que indicam antigo curso de água no planeta

A sonda Curiosity, da Nasa, encontrou indícios de que o local do seu pouso em Marte já esteve cheio de água, elemento considerado crucial para a possibilidade de ter havido vida no planeta.

A Curiosity, um laboratório móvel completo, do tamanho de um carro pequeno, pousou em 6 de agosto dentro de uma depressão próxima ao equador marciano. Nesta quinta-feira, os pesquisadores responsáveis pela missão anunciaram que análises de uma lasca de pedra encontrada nos arredores indicam que ali já houve uma corredeira.

Leia mais:

Leia mais: Curiosity, um laboratório de ciências marciano

Imagem feita pelo jipê-robô Curiosity mostra pedras que teriam sido erodidas pela força da água, segundo especialistas.

Imagem feita pelo jipê-robô Curiosity mostra pedras que teriam sido erodidas pela força da água, segundo especialistas. (/)

Imagens enviadas pela sonda mostram pedras arredondadas incrustadas na rocha. Rebecca Williams, cientista ligada ao projeto, disse que essas pedras são grandes demais para terem sido transportadas pelo vento.

“O consenso da equipe científica é que são seixos transportados pela água de um riacho vigoroso”, disse ela. Acredita-se, portanto, que a rocha tenha estado no leito de um antigo rio com profundidade 10 a 50 centímetros.

Os cientistas ainda não decidiram se a lasca de rocha merece uma análise química, ou se há alvos mais adequados para que a Curiosity procure elementos constitutivos da vida.”A questão da habitabilidade vai além da simples observação da água de Marte”, disse o cientista John Grotzinger, do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

“Certamente a água corrente é um lugar onde micro-organismos poderiam ter vivido. Esse tipo em particular de rocha pode ou não ser um bom lugar para preservar esses componentes que associamos a um ambiente habitável.”

O Laboratório Curiosity de Ciência em Marte custou 2,5 bilhões de dólares e é a primeira missão de astrobiologia da Nasa desde as sondas Viking, na década de 1970.

(Com agência Reuters)