Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Cientistas criam mapa das proteínas do corpo humano

Feito foi divulgado no mesmo dia por duas equipes diferentes

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h12 - Publicado em 28 Maio 2014, 19h54

Duas equipes de pesquisadores publicaram nesta quarta-feira os primeiros “rascunhos” do proteoma humano, um “mapa” das proteínas presentes no organismo, semelhante ao que o genoma representou para o DNA. Os dois artigos saíram na revista Nature.

Um mapeamento de proteínas era um passo esperado da ciência após a decodificação do genoma humano. Isso porque as proteínas são os primeiros produtos do DNA. Grande parte das doenças genéticas, por exemplo, estão relacionadas a problemas nas proteínas produzidas pelo organismo.

Uma das equipes, que contou com a participação de 72 cientistas dos Estados Unidos, Índia, Canadá, Chile, Reino Unido e Hong Kong, identificou proteínas fabricadas por 17 294 genes, sendo que mais de 2 000 deles produzem proteínas nunca antes descritas pela ciência, e 193 não eram considerados genes produtores de proteínas. Mais de 30 000 proteínas foram catalogadas. Já a outra equipe, formada por 22 pesquisadores de instituições alemãs, encontrou mais de 18 000 proteínas.

Leia também:

Cientistas criam mapa 3D do cérebro em alta resolução

Cientistas atualizam mapa com distribuição de vertebrados pelo mundo

Os dois times utilizaram amostras de tecidos humanos na pesquisa. Para identificar as proteínas, aplicaram uma técnica denominada espectrometria de massa, capaz de identificar os átomos que compõe uma substância e assim separar as proteínas do resto dos tecidos.

Coincidência – Os dois principais autores das pesquisas disseram à rede britânica BCC que não faziam ideia da publicação simultânea. “Na minha opinião, quando é o momento certo para uma coisa, alguém vai fazê-la. E talvez dois grupos façam (simultaneamente)”, afirmou Bernhard Kuster, professor da Universidade da Tecnologia, em Munique, que liderou a pesquisa alemã. O chefe da outra equipe, professor Akhilesh Pandey, da Universidade Johns Hopkins, comparou o ocorrido com a publicação dos primeiros rascunhos do genoma humano, também anunciada por dois grupos distintos em fevereiro de 2001.

Continua após a publicidade
Publicidade