Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bebês geneticamente editados podem se tornar realidade em 25 anos

Para a geneticista Jennifer Doudna, avanços na tecnologia mostram que a ferramenta de edição Crispr já mudou o panorama de pesquisas e estudos genéticos

Por André Sollitto 4 abr 2022, 13h25

A tecnologia de edição genética CRISPR já está sendo usada para desenvolver curas para doenças degenerativas, criar testes de diagnósticos e produzir variedades agrícolas mais resistentes às mudanças climáticas. E, num futuro não tão distante, poderá ser usada também para editar os genes de bebês.

Para a geneticista Jennifer Doudna, pioneira no desenvolvimento da tecnologia, os avanços no uso da ferramenta e a ampliação de sua aceitação em todo tipo de testes já permite vislumbrar um pouco do que será desenvolvido no futuro. “É totalmente possível. Quando pensamos no progresso feito nos últimos 25 anos, é extraordinário. E não imagino que as coisas vão desacelerar. Então, é uma possibilidade bem real nos próximos 25 anos”, disse ela, em entrevista à Bloomberg. A cientista afirma ainda que não defende a edição genética aplicada a bebês, mas apenas vê como algo que já se desenha nas próximas décadas.

“Normalmente, uma tecnologia demora décadas para realmente impactar o cenário de pesquisas e aplicações práticas. Mas com a edição genética isso aconteceu em 10 anos”, disse Doudna. Segundo ela, nem mesmo as disputas de patente envolvendo a ferramenta estão atrasando os estudos, e não há limites para seu potencial. “Trata-se de uma questão de dificuldade. No caso de tratamento de câncer, será preciso atingir as células afetadas por tumores com bastante precisão”, disse.

Doudna e sua colega, a geneticista Emmanuelle Charpentier, publicaram os primeiros estudos sobre a técnica de edição genética CRISPR há 10 anos. A pesquisa rendeu às duas o Prêmio Nobel de Química 2020, e a americana e a francesa tornaram-se, assim, a sexta e a sétima mulheres a vencer o Nobel de Química desde 1901. A trajetória de Doudna foi ainda tema do livro A Decodificadora, escrito por Walter Isaacson.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)