Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Traficantes da Rocinha pediram armas ao PCC antes de confronto

Diálogo descoberto pela polícia de SP mostra criminoso do grupo ADA pedindo ajuda à facção paulista antes de eclodir disputa por tráfico na favela carioca

Por Eduardo Gonçalves, Guilherme Venaglia Atualizado em 19 out 2017, 17h42 - Publicado em 19 out 2017, 15h05

A Polícia Civil do Estado de São Paulo prendeu nesta quinta-feira o suposto traficante Fabiano Robson dos Santos, conhecido como Negão da Baixada ou Salazar. Ele é apontado pelos investigadores como o interlocutor do Primeiro Comando da Capital (PCC) com a facção Amigo dos Amigos (ADA), que comanda o tráfico de drogas na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro.

Durante a investigação, a polícia captou uma conversa entre Santos e um homem identificado como Neimar ligado ao ADA. Na conversa, o traficante fluminense pede o envio de armas. “Qual que é a parada, irmão?”, pergunta Santos. “É referente à família (…) o que tá acontecendo lá no Rio, irmão. Tem que ir que nossos parceiros tão [sic] precisando de armamento lá, tá [sic] ligado, irmão? Precisamos de bala mesmo, umas caixas, tá [sic] ligado irmão?”, responde Neimar.

De acordo com a polícia, o diálogo foi interceptado há cerca de 40 dias, pouco antes da eclosão do conflito armado na Rocinha entre grupos ligados ao Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, e Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, que eram aliados na mesma facção, o ADA, e se desentenderam — o armamento teria sido requisitado para o confronto que levou terror às ruas do Rio. O pedido se referia a uma remessa de quinze fuzis. A polícia não sabe se as armas chegaram ao Rio de Janeiro e buscam identificar o traficante fluminense.

Santos foi preso nesta quinta-feira em sua casa na Praia Grande, litoral sul de São Paulo, como parte da operação que leva seu último apelido como nome. Ele é apontado como uma das lideranças do PCC na Baixada Santista. Resultado de uma apuração da Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (Dise), de São Bernardo do Campo (SP), a ação envolveu 320 policiais para cumprir cerca de 30 mandados de prisão e 96 de busca e apreensão na região metropolitana de São Paulo e nas cidades do litoral paulista. Até o final da manhã, treze pessoas já tinham sido presas.

Continua após a publicidade

Na madrugada de 17 de setembro, um bando de 60 homens armados invadiu a favela da Rocinha a mando de Nem, que está encarcerado em um presídio de segurança máxima em Rondônia. O objetivo era tomar a favela das mãos de Rogério 157, que foi ex-segurança de Nem e cresceu na carreira criminosa após sua prisão. Após o conflito, a polícia suspeita que ele tenha se aliado ao Comando Vermelho (CV), facção majoritária nos morros do Rio e inimiga do ADA. Desde o fim do ano passado, o PCC rompeu uma parceria comercial que tinha há mais de 20 anos com o CV e passou a se unir ao seu principal rival na capital fluminense.

Ouça abaixo o áudio:

Veja a transcrição do áudio:

Áudio PCC
Transcrição de áudio mostra conversa entre criminosos da ADA, do Rio de Janeiro, e do PCC, de São Paulo Foto/Reprodução
Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)