Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Suspeito de atacar Porta dos Fundos é procurado pela Interpol

Por enquanto, o economista foi o único identificado pela Polícia Civil por participar do ataque ao grupo humorístico que fez piada da religião cristã

Por Eduardo Gonçalves - Atualizado em 8 jan 2020, 18h10 - Publicado em 8 jan 2020, 17h57

A Polícia Federal colocou o nome do empresário Eduardo Fauzi na lista de difusão vermelha da Interpol. Ele é suspeito de atacar com coqueteis molotov, junto com outras quatro pessoas, o prédio da produtora do canal humorístico Porta dos Fundos, no Rio de Janeiro, em 24 de dezembro.

Fauzi está foragido da Justiça brasileira desde o dia 30 de dezembro. Segundo a Polícia Civil do Rio de Janeiro, ele viajou um dia antes para a Rússia, com escala em Paris, onde mora o seu filho.

Com o nome no rol de procurados da Interpol, ele pode ser preso a qualquer momento se for encontrado em território de um país que integra a Polícia Internacional – no caso, a Rússia faz parte dessa comunidade e tem acordo de extradição com o Brasil.

De acordo com a Polícia Civil, ele era o único dos cinco suspeitos que não usava capuz na hora do ataque – por isso, foi identificado por câmeras de segurança da rua.

Publicidade

No Brasil, ele já integra outra lista de procurados – o Disque Denúncia do Rio de Janeiro, que divulgou uma foto dele com recompensa de R$ 2 mil para quem ajudasse na captura do suspeito.

Adepto do movimento integralista, o empresário já foi fichado na polícia por outros episódios de violência, como agressão, lesão corporal, desacato, extorsão e crimes previstos na Lei Maria da Penha.

Publicidade