Clique e assine a partir de 8,90/mês

Substituta da ‘prefeita ostentação’ é afastada por improbidade

Malrinete Matos assumiu o cargo em setembro do ano passado, depois que a titular Lidiane Leite foi afastada

Por Da redação - Atualizado em 21 out 2016, 11h04 - Publicado em 21 out 2016, 10h49

O Tribunal de Justiça do Maranhão determinou, nesta quarta-feira, o afastamento da atual prefeita de Bom Jardim Malrinete Matos (PMDB), até o fim do mandato, em 31 de dezembro, por improbidade administrativa. Malrinete assumiu a administração da cidade em setembro do ano passado, depois que a titular Lidiane Leite (DEM), a “prefeita ostentação” também foi afastada.

Leia também:

Justiça bloqueia R$ 4 milhões de ‘prefeita ostentação’

Ela foi acusada de contratar serviços de diversas empresas sem licitação. De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público do Estado, logo que assumiu a gestão, Malrinete decretou estado de emergência financeira e administrativa no município de Bom Jardim e determinou a autorização para que a prefeitura contratasse sem licitação.

“[Malrinete] iniciou sua administração efetuando uma contratação em grande escala de várias empresas sem efetuar licitação, e com valores contratuais excessivos e incompatíveis com a realidade do município, com provável intuito de desviar recursos públicos, ou, ao menos, descaso com os recursos municipais”, disse o MP na denúncia.

Fraudes na merenda

A prefeita de Bom Jardim, Lidiane Rocha
A ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Rocha VEJA.com/Reprodução

A ex-prefeita Lidiane Leite ganhou notoriedade no ano passado. Vaidosa, ela exibia nas redes sociais imagens de uma vida de alto padrão em uma cidade de 40.000 habitantes à beira da miséria, com um dos menores IDHs do Brasil. Lidiane é investigada por desvios de recursos da educação municipal e fraude à licitação na merenda escolar que podem chegar a 15 milhões de reais. Carros de luxo, festas e preocupação com a beleza, o que inclui até cirurgia plástica, marcam o dia a dia da moça.

Antes de ser presa, em setembro de 2015, Lidiane Leite ficou foragida durante um mês e depois se entregou. Após onze dias presa, o juiz federal José Magno Linhares Moraes mandou soltar Lidiane, com tornozeleira.

Continua após a publicidade
Publicidade