Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

SP fecha zoológico e Jardim Botânico após morte de macaco

Animal foi diagnosticado com febre amarela; Zoo Safari também foi afetado e quatro distritos da Zona Sul da capital foram incluídos em campanha

Por Da Redação - Atualizado em 23 jan 2018, 15h23 - Publicado em 23 jan 2018, 09h45

O zoológico de São Paulo, o Zoo Safari e o Jardim Botânico, localizados na Zona Sul da cidade, serão temporariamente fechados a partir desta terça-feira 23 após um macaco ser encontrado morto na área. Segundo a Secretaria da Saúde do estado, o animal foi diagnosticado com febre amarela.

A medida, segundo a pasta, é preventiva e foi tomada depois da confirmação das causas da morte. Em razão disso, quatro distritos da capital (Jabaquara, Cidade Ademar, Cursino e Sacomã) também serão incluídos na área de campanha de vacinação fracionada, antecipada para esta quinta-feira 25.

Além dessas, já faziam parte da os distritos da capital definidos como áreas prioritárias: Cidade Líder, Cidade Tiradentes, Guaianases, Iguatemi, José Bonifácio, Parque do Carmo, São Mateus e São Rafael, na Zona Leste; Capão Redondo, Cidade Dutra, Grajaú, Jardim São Luis, Pedreira, Socorro, Vila Andrade e Campo Limpo, na Zonal Sul.

Mortes

Publicidade

O número de mortes confirmadas por febre amarela no Estado de São Paulo subiu para 36, segundo boletim divulgado na última sexta-feira 19 pela Secretaria Estadual da Saúde. O número é 71% maior do que o registrado no balanço da semana passada, quando a pasta contabilizava 21 óbitos. O balanço se refere aos registros da doença de janeiro de 2017 até agora.

O número de casos da doença também aumentou, passando de quarenta para 81 no mesmo período. O município de Mairiporã, na região metropolitana de São Paulo, registrou mais da metade de todos os casos do Estado: 41, dos quais catorze resultaram em morte. A cidade vizinha Atibaia é a segunda com o maior número de registros da doença (9), seguida por Amparo (5).

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade