Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Sirene é acionada em Brumadinho e comunidades são evacuadas

Alerta foi acionado após aumento nos níveis de água e risco de rompimento de mais uma barragem na região da Mina Córrego do Feijão

Por Guilherme Venaglia, de Brumadinho (MG) Atualizado em 30 jul 2020, 19h57 - Publicado em 27 jan 2019, 07h34

Moradores das comunidades Córrego do Feijão e Tejuco, em Brumadinho (MG), tiveram de deixar suas casas nas primeiras horas deste domingo 27. Por volta das 5h30 da manhã, a mineradora Vale acionou a sirene que indica risco de rompimento de mais uma barragem, a B6, após um aumento nos níveis de água.

“A barragem não rompeu, mas os técnicos indicaram risco iminente de rompimento e acionaram a sirene de evacuação. Nós estamos com a tropa já mobilizada para essa evacuação”, afirmou o Coronel Ângelo, comandante de operações na região.

“Essa é uma barragem que contempla água. Desde ontem, está sendo feito um movimento de bombeamento dessa água para fora, para esvaziá-la e torná-la mais segura. Imediatamente, com a sirene acionada, o Corpo de Bombeiros está executando o evacuamento das comunidades que ficam nas imediações da barragem”, afirmou o tenente Pedro Aihara, porta-voz da corporação.

Agora, os trabalhos de resgate foram suspensos.  A equipe do Corpo de Bombeiros está orientando a evacuação. Os moradores devem abandonar suas casas e procurar três pontos: a Igreja Matriz, no centro de Brumadinho, o quartel e o Morro do Querosene. Segundo o porta-voz do Corpo de Bombeiros, esses são locais considerados seguros, mesmo que haja rompimento da barragem. São quatro zonas de risco: Parque da Cachoeira, mais próxima à barragem B6, Pires, Centro de Brumadinho  e Bairro Novo Progresso.

Os moradores são conduzidos para os pontos mais altos da cidade, previstos em um plano de emergência elaborado previamente. Em nota, a Vale afirma que o acionamento da sirene foi uma medida preventiva e que a empresa seguirá monitorando a situação na barragem B6.

Barragem

A capacidade da barragem 6 é de 3 a 4 milhões de metros cúbicos, de acordo com o Corpo de Bombeiros. Anteriormente, o depósito de água era avaliado como tendo 1 milhão de metros cúbicos, mas, em reunião com engenheiros da Vale, o número foi alterado. A barragem 6 fica ao lado da barragem 1, de rejeitos, que rompeu na sexta-feira, 25.

Vítimas

Chegou a 37 no início da manhã deste domingo, dia 28, o número de mortos confirmados no desastre do rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho (MG). Apenas oito foram identificados. Conforme informações da Defesa Civil de Minas Gerais, 287 pessoas continuam desaparecidas e foram localizadas 361 pessoas.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)