Clique e assine com 88% de desconto

Serra diz que mensalão é “marca do PT”

Candidato do PSDB afirmou que 'alma do partido está comprometida'

Por Da Redação - 11 out 2012, 17h55

O candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, José Serra, voltou a usar o mensalão para criticar o PT, legenda de seu adversário neste segundo turno da capital, Fernando Haddad. Após eventos que formalizaram o apoio do PDT e do PTB à sua candidatura, o tucano foi indagado sobre o fato de o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, ser um dos réus no processo do mensalão, em julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Na resposta, ele disse que pode haver algum integrante de outro partido nesse escândalo, mas “é a alma do PT que está comprometida” neste episódio. “O mensalão é obra do PT, é uma marca do partido”, afirmou.

Leia também:

Com presença de Temer, PMDB oficializa apoio a Haddad

PRB e Russomanno ficam neutros no 2º turno em São Paulo

Publicidade

Além de criticar o PT, o tucano também rebateu a declaração do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (PT), condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no processo do mensalão, de que a prioridade do PT neste momento são as eleições municipais neste segundo turno, com destaque para Fernando Haddad. “É estranho que alguém condenado pela Justiça suprema do país, de repente considere que o mais importante (para o seu partido) é ganhar uma eleição em São Paulo”, destacou.

O candidato tucano também teceu um breve comentário sobre a reunião ocorrida nesta quarta-feira entre a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os ministros Aloizio Mercadante (Educação), Fernando Pimentel (Desenvolvimento) e Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência), no escritório da Presidência da República, em São Paulo. Sobre essa reunião, ele disse: “Acho estranho que (a presidente) vá de avião presidencial para lá e para cá fazer reunião política.”

Ao formalizar apoio a Serra, o deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (PDT-SP), derrotado nas eleições deste primeiro turno na capital, disse que a aliança com Serra é resultado de a presidente Dilma Rousseff não ter cumprido acordos com os trabalhadores.

(Com Agência Estado)

Publicidade