Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sérgio Cabral ‘apadrinhou’ esquema de corrupção no Rio, diz PGR

Afirmação foi feita em manifestação da Operação Saqueador, que investiga desvios de dinheiro pela construtora Delta Engenharia, de Fernando Cavendish

A Procuradoria da República afirmou em manifestação na Operação Saqueador que os desvios de recursos públicos pela construtora Delta Engenharia, do empresário Fernando Cavendish, instalado no Rio de Janeiro, teve o “apadrinhamento” do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), segundo a edição desta segunda-feira do jornal O Estado de S. Paulo. São réus no processo da Saqueador, além de Cavendish, o contraventor Carlinhos Cachoeira, o lobista Adir Assad e outros vinte investigados. Cabral chefiou o Estado entre 2007 e 2014.

Os procuradores ressaltam que existiu “um gigantesco esquema de corrupção de verbas públicas” no Estado. “As investigações produziram fortes elementos que apontam para a existência de gigantesco esquema de corrupção de verbas públicas no Rio de Janeiro, que contou, inclusive, com o apadrinhamento do então governador de Estado Sérgio Cabral, conforme se extrai das declarações de colaboradores”, destacaram. Assinam a ação penal da Saqueador os procuradores da República Rodrigo Timóteo C. e Silva, Eduardo Ribeiro El Hage, Lauro Coelho Júnior, Renato Silva de Oliveira, Leonardo Cardoso de Freitas e pelo procurador regional da República José Augusto Vagos.

Leia também:
Policial do Senado denuncia missão ‘secreta’ para Sarney
Odebrecht teria construído Itaquerão como presente para Lula

“Tal esquema delituoso, como descreve a denúncia, envolveu desvio de verbas destinadas a importantes obras públicas a exemplo da construção do Parque Aquático Maria Lenk, para os Jogos Panamericanos de 2007 e a reforma e construção de Estádios para a Copa do Mundo de 2014 [Maracan]”, assinalam os procuradores.

Segundo a Operação Saqueador, entre 2007 e 2012, a Delta teve 96,3% do seu faturamento oriundo de verbas públicas em um montante de quase 11 bilhões de reais. Deste total, 370 milhões de reais teriam sido lavados por meio de dezoito “empresas” localizadas em endereços onde funcionam consultório de dentista, loja de gesso e até um matagal na beira de uma estrada. Alguns endereços não existem.

Cavendish era um antigo aliado de Sérgio Cabral. Na semana passada, o jornal O Globo mostrou que, em 2009, o empresário pagou um anel de 800.000 reais à então esposa de Cabral, Adriana Ancelmo. A joia, porém, foi devolvida quando eles romperam a amizade. Isso aconteceu depois que surgiram revelações de que a Delta usava as empresas do bicheiro Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, para lavar dinheiro. A descoberta foi um desdobramento da Operação Monte Carlo, deflagrada pela Polícia Federal em Goiás para desarticular um grupo que explorava máquina caça-níqueis e levou o diretor da Delta Centro-Oeste, Claudio Abreu, para a prisão. Paulo Fernando Magalhães Pinto, um amigo do ex-governador, foi quem entregou a joia a Cavendish.

Preso em julho deste ano, Cavendish negocia um acordo de delação premiada, no âmbito da Operação Saqueadorno qual pretende detalhar supostos pagamentos de propinas a políticos do PMDB e do PSDB relacionados a obras nos governos de São Paulo, Rio e Goiás, além de estatais federais como o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e Petrobras. Além de Cabral, o empresário cita também o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP).

Ao jornal, Cabral negou envolvimento com “qualquer ilicitude”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Denis dos Santos Silva

    lá vai mais um pro xadrez… arrogante e doido…. “relaxa e goza” (Marta do PT)

    Curtir

  2. Joao Lubanco Leal

    O girassol dele deve está tão fechado que não passa nem agulha !

    Curtir

  3. Roberto Negromonte Santos Negromonte

    Prendam logo esse cara junto com a família. São golpistas e escroques que deixaram o Rio na Pindaíba.

    Curtir

  4. Prof. Pinheiro

    Será necessário prender metade da República e de dirigentes partidários, de membros do Congresso e da torcida do Corínthians?

    Curtir

  5. Regina Coeli

    Minha nossa! Uma vergonha esse senhor ser desmoralizado pelas provas apresentadas até agora.
    Merece ser preso. É por longo tempo.

    Curtir

  6. João carlos

    Tentaram blindar o CABRAL mas a sujeira é tão grande que é impossível,é por isso que o estado está ferrado a corrupção do CABRAL não para só na petrobrás e sim nesses rombos de impostos não cobramos de grandes empresas.

    Curtir