Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Sem fiscalização, cariocas desobedecem decreto para usarem máscaras

Prefeitura do Rio publicou nova medida na última quinta-feira para que população utilize proteção no rosto contra o coronavírus

Por Cássio Bruno Atualizado em 25 abr 2020, 13h15 - Publicado em 25 abr 2020, 12h54

Mesmo após decreto da Prefeitura do Rio de Janeiro que obriga a utilização de máscaras de proteção contra o coronavírus, os cariocas ainda resistem à nova rotina. VEJA percorreu nesta sexta-feira, 24, bairros das Zonas Sul, Norte e Oeste e a região central da capital. Boa parte da população que saiu de casa ignorou a medida adotada pelo município para conter a proliferação do Covid-19. A reportagem não encontrou qualquer fiscalização. Segundo o último boletim, 4.091 casos da doença foram confirmados na cidade, sendo 111 mortes.

Na Lagoa Rodrigo de Freitas, por exemplo, as pessoas caminhavam, pedalavam e praticavam exercícios físicos sem máscara ao longo da Avenida Epitácio Pessoa. O cenário era bem parecido na orla das praias do Leblon e de Ipanema. Apesar das areias estarem vazias por causa do isolamento social, os frequentadores do calçadão e dos quiosques não se incomodavam em não utilizar o acessório.

“Não estou em aglomeração e já vou voltar para casa”, disse a estudante de Direito, Patrícia de Souza Franco, de 26 anos, sem máscara. Com idade do grupo de risco para contrair o coronavírus, o empresário Mauro Aloízio Mendes, de 68 anos, prometeu comprar uma de pano. “O decreto acabou de sair. Nós estamos nos adaptando aos novos tempos. Com certeza cumprirei a determinação, até porque não quero ser vítima desta doença”, afirmou.

Em Copacabana, primeiro no ranking da capital com 22 mortes por coronavírus, quatro policiais militares, que faziam o patrulhamento na altura do Posto 5, não utilizavam as máscaras. No bairro com maior concentração de idosos no país, foi possível observar também que moradores e turistas não respeitavam a orientação para ficarem em casa. Em meio à pandemia, eles tomaram banho de mar. Alguns andavam pelas areias sem a proteção no rosto.

No Aterro do Flamengo e em Botafogo, muita gente respeitou o decreto da prefeitura. Na Avenida Presidente Vargas e na Central do Brasil, também, apesar de um grande número de moradores de rua estar sem máscaras. Já no camelódromo da Uruguaiana, o maior da cidade, a situação era uma das piores. Além das aglomerações, alguns boxes foram abertos pelos vendedores, a maioria sem a máscara.

Continua após a publicidade

Na Zona Oeste, o calçadão de Campo Grande tinha um festival de irregularidades. Pedestres e comerciantes descartaram a utilização da proteção no rosto contra a Covid-19. Em Cosmos e Paciência, o decreto da prefeitura surtiu efeito e parte da população respeitou a medida. Na região central da cidade, como Leopoldina, Praça da Bandeira e Rio Comprido, os moradores usavam máscaras nas ruas e nos pontos de ônibus. “É a nossa vida que está em jogo”, resumiu a diarista Maria da Penha Francisco, de 54 anos, com uma descartável.

Na Praça Vanhargem e na Avenida Maracanã, na Tijuca, Zona Norte do Rio, poucas pessoas se protegiam com as máscaras. Na Praça Saens Pena, os frequentadores deixaram a proteção de lado. Só alguns pedestres obedeceram o novo decreto, assim como os que passavam pelas ruas Conde de Bonfim e General Roca.

Procurada por VEJA, a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) informou, em nota, o seguinte: “Até que a regulamentação sobre a obrigatoriedade do uso da máscara de proteção seja publicada, neste primeiro momento, as ações terão foco educativo. Para tanto, equipes da Vigilância Sanitária, Assistência Social, Guarda Municipal e Seop atuarão nas ruas orientando o cidadão sobre a importância de utilização do equipamento de proteção individual como forma de minimizar os riscos de transmissão e contaminação do novo coronavírus”. Nos últimos dois dias, a prefeitura distribuiu máscaras nos terminais do BRT de Santa Cruz e Alvorada, na Barra da Tijuca. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.