Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Rebeldes sem causa? Não. Rebeldes sem ‘pai’

Protestos que tomaram as ruas do país têm um traço em comum: a rejeição aos políticos e aos partidos políticos que se proliferam ano a ano no Brasil

Por Gabriel Castro, de Brasília 21 jun 2013, 06h30

Quando as manifestações que hoje tomam o Brasil começaram a ganhar peso e velocidade, uma semana atrás, pareceu que era a multiplicidade de causas que as definiria. Nas passeatas desta quinta-feira, porém, ficou claro que há um traço ainda mais forte nesse movimento: a rejeição aos políticos, aos partidos, a qualquer pessoa ou entidade que se arvore o direito de falar “em nome do povo”.

Saiba como foram os protestos pelo país nesta quinta-feira

Se já havia posto na defensiva prefeitos de grandes cidades e governadores, o aumento do número de pessoas nas ruas, passeata após passeata, fez a crise chegar às portas do Palácio do Planalto na noite passada. Subitamente, os quase 60% de aprovação da presidente Dilma Rousseff nas últimas pesquisas de opinião não pareceram um escudo forte o suficiente para protegê-la. Dilma viu mais de 1 milhão de pessoas aderirem aos protestos ao lado de seus assessores mais próximos – e convocou uma reunião de crise para a manhã desta sexta-feira.

O partido da presidente, o PT, também se encontra de repente em terreno desconhecido. A mobilização não depende da voz de comando de partidos de esquerda, sindicatos ou associações estudantis para ir às ruas. Mais que isso, a repele. Quem portava bandeiras e camisetas de partidos foi isolado nas manifestações. Na noite de quinta-feira, depois de o presidente do PT, Rui Falcão, ter conclamado militantes a erguer novamente a bandeira do partido na marcha pelas ruas de São Paulo, houve hostilidade aberta contra quem tentou cumprir a ordem. Depois de mais de duas décadas, o PT se vê de repente privado do papel de porta-voz dos “anseios populares”.

“Há uma espécie de libertação em face do aparelho petista e seus tentáculos”, diz o professor Marcelo Barra, do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB).

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), ex-petista que participou da organização do movimento Fora Collor, faz uma análise semelhante: “Houve uma cooptação das lideranças políticas do movimento social para a estruturas de poder e o movimento, como toda panela de pressão, explode uma hora”, diz ele.

Leia também:

Passe Livre: para onde vai o movimento que deflagrou uma onda inédita no país

Continua após a publicidade

Com o triplo da multidão, Rio tem noite de pancadaria

A batalha das bandeiras: militante do PSTU foi o primeiro agredido no Rio

Vídeos:

Brigas no protesto em São Paulo

Fortes confrontos em Salvador

Protesto no Rio termina em pancadaria e destruição

Pouco acostumados a protestos do tipo, os manifestantes adaptam palavras de ordem dos estádios de futebol – inclusive com as ofensas e palavrões. Nos cartazes, referências quase infantis a músicas da Legião Urbana. Os jovens exibem símbolos do anarquismo, mas cantam o Hino Nacional. Dizem-se representantes de uma geração consciente, mas só agora começam a se familiarizar com temas e nomes da política nacional – quando se dispôs a negociar pessoalmente com o grupo que tomou as ruas de Brasília no último sábado, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, foi reconhecido por poucos manifestantes.

A aversão aos partidos e a rejeição a todas as autoridades constituídas é uma reação compreensível diante dos infindáveis escândalos que atingem a política brasileira. Ao mesmo tempo, esses dois fatores parecem limitar o horizonte do movimento.

Continua após a publicidade
Publicidade