Clique e assine a partir de 9,90/mês

Presos suspeitos de atacar filhos de ex-PM da Rota

Com imagens de câmeras próximas ao local do crime, a polícia identificou o táxi usado no ataque ao carro das vítimas; um dos rapazes morreu

Por Da Redação - 8 nov 2012, 07h37

Dois suspeitos de um ataque contra dois filhos de um ex-policial militar das Rondas Ostensivas Tobias Aguiar (Rota) foram detidos, na noite desta quarta-feira, pela Polícia Civil e encaminhados para o 40º Distrito Policial (Santa Maria), região do Limão, na Zona Norte de São Paulo. Um dos detidos é o dono do táxi do qual o atirador desceu antes de abordar o carro das vítimas.

Os investigadores chegaram até a dupla após identificar o táxi utilizado no ataque ao Corsa ocupado pelos dois rapazes. O ataque aconteceu na noite da última segunda-feira. Tiago e Diego de Souza Serrão, de 27 e 22 anos, estavam com um amigo quando foram perseguidos pelas ruas da Vila Nova Cachoeirinha, também na Zona Norte. Após alcançar o Corsa, um dos ocupantes do táxi desceu, atirou várias vezes contra as vítimas e fugiu com o comparsa que dirigia.

Tiago morreu no pronto-socorro de Santana, e o irmão dele foi transferido, em estado grave, para o Hospital do Mandaqui, onde segue internado.

Leia também:

Média de mortes em São Paulo passa de quatro por dia

PM expande operação para mais bairros na Zona Sul

Alckmin e Cardozo anunciam agência para combater crime organizado em SP

Com imagens de câmeras de um edifício próximo ao local do crime, a polícia identificou o táxi e localizou o ponto onde o motorista atuava. No local, os policiais foram informados de que o suspeito, desde a noite do crime, não havia aparecido mais.

Localizado, o taxista afirmou que havia feito algumas mudanças no carro antes do crime. Detido, ele entregou o comparsa, autor dos disparos, que também foi encontrado e levado para a delegacia. Lá o assassino foi reconhecido pelo sobrevivente, que não pôde fazer o mesmo em relação ao taxista, que estava volante do carro.

Continua após a publicidade

Mais ataques – A onda de crimes em São Paulo fez mais vítimas, com nove pessoas mortas e três feridas a tiros. Em um intervalo de cinco horas, entre as 19h30 desta quarta-feira e o começo da madrugada desta quinta, foram registrados dois ataques – um a dois guardas civis e outro contra um policial militar -, três supostos confrontos entre suspeitos e a Polícia Militar e três homicídios, um Zona Leste da capital e dois na Grande São Paulo. Todos os casos serão investigados pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Um ataque contra uma equipe da Guarda Civil de Cotia, na Grande São Paulo, deixou dois bandidos mortos, outros dois presos e um guarda municipal ferido na noite desta quarta-feira. Por volta das 22 horas, quatro homens armados com revólveres e uma metralhadora, em um Vectra preto roubado, abordaram uma viatura da Guarda Civil na altura do km 32 da pista marginal da Rodovia Raposo Tavares. Um dos criminosos metralhou o veículo da corporação, ferindo um dos guardas na axila. O outro foi atingido no colete e saiu ileso.

Minutos depois, com o reforço de viaturas, o Vectra foi localizado na favela do Morro dos Macacos, na Vila Clara, ainda em Cotia. No confronto entre os guardas e o grupo, dois dos bandidos foram baleados e morreram a caminho do Hospital Geral de Cotia. Os outros dois se entregaram e foram presos. Segundo a Polícia Civil de Cotia, até as 3 horas desta madrugada, nenhum dos integrantes da quadrilha havia sido identificado. O guarda civil baleado foi levado para o mesmo hospital e passa bem.

Uma hora e meia depois, o soldado Humberto Gonçalves, da 2ª Companhia do 41º Batalhão, foi atacado e baleado no Jardim Las Vegas, em Santo André, próximo ao limite com São Bernardo do Campo, no ABC. À paisana, o policial militar saía da casa de um amigo, na Avenida Taioca, quando foi surpreendido por um desconhecido, armado com um revólver calibre 38. O criminoso estava escondido atrás de um orelhão e esperava pelo soldado. Gonçalves ainda tentou sacar a arma, mas foi baleado em uma das pernas e na barriga. O atirador fugiu na garupa de uma moto com um comparsa. O soldado foi encaminhado para o Hospital Anchieta e passa bem.

Um bandido morreu após assaltar a loja de conveniência de um posto de combustível e trocar tiros com a PM na região dos Jardins, área nobre da Zona Sul da capital paulista, por volta da 0h30 desta quinta-feira.

Grande SP – Quatro horas antes, outro bandido morreu e um foi baleado durante um confronto com policiais militares da 1ª Companhia do 24º Batalhão após uma tentativa de roubo na noite de quarta-feira, em Diadema, no Grande ABC. Segundo a Polícia Militar, um dos homens, ao trocar tiros com os policiais, foi baleado em um dos braços. O outro foi baleado em uma troca de tiros na fuga.

Praticamente no mesmo horário, um homem morreu e outro foi preso, após uma troca de tiros com policiais militares da Força Tática do 35º Batalhão no Jardim Nova Itaquá, em Itaquaquecetuba, região leste da Grande São Paulo. A dupla, segundo a PM, estava em uma moto roubada, cujo dono, rendido na cidade vizinha de Suzano, ligou para o 190. Os suspeitos teriam atirado ao ver a polícia, que revidou.

Um homem, identificado como Vitor Saraceno dos Santos, foi morto, com um tiro no rosto, por volta das 21 horas, em frente a um bar, na Rua Doutor Fontes de Resende, na Vila Dalila, Zona Leste de São Paulo. Também na Zona Leste, na Vila Matilde, um homem foi baleado e morreu. Outros dois homicídios foram registrados pela polícia, desta vez na Grande São Paulo. Um deles em Embu das Artes, por volta das 22 horas, o outro em Itapevi, meia hora depois. Em ambos os casos, segundo a polícia, moradores escutaram vários tiros e ligaram para a PM. Ao chegarem nos dois endereços, os policiais encontraram as vítimas, ambas do sexo masculino, baleadas na cabeça e mortas.

O assassinato em Embu, segundo a PM, ocorreu na Rua Espacial, no Jardim Santa Tereza Velho. Em Itapevi, o homicídio aconteceu na Rua Leri Claudino da Silva, no Jardim São Luiz. Tanto a identificação das vítimas como o antecedente criminal delas não foram informados.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade