Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Presidente da Sabesp diz que Cantareira pode secar

Jerson Kelman demonstra preocupação com a falta de chuvas, e admite: "Se não chover, o sofrimento da população vai aumentar"

Por Da Redação 14 jan 2015, 12h53

O novo presidente da Sabesp, Jerson Kelman, relativizou nesta quarta-feira as declarações do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que admitiu pela primeira vez que há racionamento de água na capital paulista. Kelman disse que não há um racionamento sistêmico feito pela Sabesp, mas restrições ao consumo. Segundo o presidente, o governador falava da falta de água para algumas pessoas e não de um corte generalizado.

Leia também:

Alckmin admite pela 1ª vez racionamento de água em SP

Kelman mostrou-se preocupado com o nível das chuvas neste início do ano e falou sobre a possibilidade de o Cantareira secar em março, caso não haja aumento de chuvas: “É possível”. “Se não chover, o sofrimento da população vai aumentar, não é por maldade, mas temos que evitar um caos maior”, disse em entrevista ao SPTV, da TV Globo.

Leia também:

Justiça suspende multa da água em São Paulo

Pela manhã, em entrevista à Rádio Estadão, Kelman defendeu a aplicação da multa para consumidores que aumentarem o consumo de água e a redução da pressão de água em toda a região metropolitana. Ele disse ainda que uma questão burocrática fez com que a Justiça determinasse a suspensão da multa por consumo excessivo e opinou sobre a importância da medida. “Há uma pequena porcentagem que não se conscientizou e que está gastando mais. Se atrasar essa medida, estamos permitindo que esses consumidores continuem a gastar de uma forma não equilibrada, prejudicando a segurança hídrica de todos.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade