Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Polícia usa bala de borracha para conter ‘rolezinho’ em SP

Confronto aconteceu na entrada do Shopping Itaquera, na Zona Leste da cidade

A Polícia Militar e jovens que participavam de um ‘rolezinho’ entraram em confronto no início da noite deste sábado em São Paulo, relata o jornal Folha de S. Paulo. Segundo a PM, mais de 1.000 pessoas participaram do encontro no Shopping Itaquera, na Zona Leste da capital paulista. No confronto, a polícia utilizou balas de borracha e bombas de gás lacrimogênio para conter as pessoas que participavam do encontro marcado através de redes sociais on-line.

Ainda segundo a PM, uma funcionária do shopping passou mal e foi retirada de maca. Muitos jovens entraram no centro comercial e começaram a cantar e gritar. Com medo de arrastão, os lojistas começaram a fechar as portas, assim como muitas lanchonetes e restaurantes da praça de alimentação. As pessoas que estavam no local, também com medo, começaram a deixar o shopping. Houve correria e tumultos.

Leia também

A três dias do Natal, ‘rolezinho’ fecha lojas de shopping na Zona Sul

Natal do funk causa pânico nos shoppings de SP

Polícia cerca shopping de SP após suspeita de arrastão

A assessoria de imprensa do shopping Itaquera informou que a ação da polícia aconteceu do lado de fora do centro comercial. Os policiais militares usaram bombas e balas de borracha para dispersar o grupo na rampa de acesso interligando o shopping à estação de metrô Itaquera, na linha vermelha. Houve confronto também no terminal de ônibus que funciona junto à estação de metrô. A polícia disse ainda que, durante o confronto no terminal, “diversas lojas foram danificadas”.

No próximo sábado haverá um novo ‘rolezinho’ no Shopping Itaquera, segundo informações compartilhadas em redes sociais. O shopping reforçou sua segurança com o apoio da Polícia Militar desde dezembro para reprimir possíveis tumultos e prejuízos.

Em dezembro, um ‘rolezinho’ causou tumulto no Shopping Interlagos, na Zona Sul de São Paulo. Houve gritaria, pânico e 25 jovens foram detidos por terem supostamente iniciado a confusão. Clientes relataram furtos, apesar de o shopping negar a informação. Lojas baixaram as portas com medo de roubo. O caos só não foi maior porque a polícia estava no local quando a ação começou.