Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Polícia investiga repasses em dinheiro do PCC ao ex-jogador Cafu

Registros foram encontrados pela Polícia Civil no celular de Décio Português, uma liderança responsável pela contabilidade financeira da facção criminosa

Por Edoardo Ghirotto Atualizado em 7 out 2019, 15h03 - Publicado em 7 out 2019, 12h48

Um relatório da Polícia Civil de São Paulo aponta para registros de depósitos em dinheiro feitos pelo PCC em favor do ex-jogador da seleção brasileira de futebol Marcos Evangelista de Morais, o Cafu. O documento não cita o valor total dos repasses, mas os investigadores trabalham com a suspeita de que a organização criminosa teria comprado um terreno ou um imóvel que pertencia ao ex-jogador em Alphaville, na cidade de Barueri, em São Paulo.

Os repasses estavam listados em um celular apreendido com Décio Gouveia Luiz, o Décio Português, em 14 de agosto. Próximo a Marcola, Décio Português se transformou em uma das principais lideranças do PCC nas ruas após a prisão do chefe. Entre outras tarefas, era o responsável pela contabilidade da facção criminosa, incluindo a lavagem e ocultação de bens e valores. Ele foi transferido para a Penitenciária de Presidente Wenceslau II no dia 28 de agosto.

Procurado, Cafu negou ter cometido qualquer irregularidade. “Não procede [essa história de] venda de imóvel, casa ou terreno. Nada disso procede, até porque eu não tenho nem terreno em Alphaville”, afirmou.

  • Advogado do PT

    As investigações contra Décio Português também levantaram suspeitas de uma conexão entre o PCC e um advogado do PT. No mesmo celular, os policiais encontraram uma prestação de contas que listava o pagamento de 1,5 milhão de reais para que o defensor Geraldo Luiz Mascarenhas Prado ingressasse no Supremo Tribunal Federal (STF), em nome do partido, com uma ação contra uma portaria do Ministério da Justiça.

    A Polícia Civil pedirá à Justiça a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Geraldo Prado e de outros advogados que foram mencionados na mensagem enviada a Décio Português. Em nota, o PT afirmou desconhecer qualquer suposta relação dos advogados que atuam no caso com organizações criminosas.

    Continua após a publicidade
    Publicidade