Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Polícia Civil também paralisa as atividades no Ceará

PM está em greve há seis dias, provocando confusão e insegurança no estado

Por Mariana Penaforte, de Fortaleza (CE) - 3 jan 2012, 21h44

Os policiais civis do Ceará decidiram na noite desta terça-feira iniciar uma paralisação da categoria. A resolução do Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Estado do Ceará (Sinpoci) acontece no momento em que o governo do estado negocia com policiais militares e bombeiros o fim de uma greve desses setores, iniciada em 29 de dezembro, e que vem causando confusão e insegurança em Fortaleza. Leia também: Fortaleza, uma cidade fantasma Representantes do sindicato dos policiais civis disseram que passarão a noite tentando convencer colegas a aderirem à paralisação e a entregarem as chaves das delegacias aos delegados, deixando-os sozinhos. Eles convocaram os trabalhadores a abandonarem as delegaciais e se reunirem em frente à Superintendência da Polícia Civil, no centro de Fortaleza. Nesse momento, cerca de dez viaturas das Delegacias de Homicídios, Departamento Estadual de Investigações Sobre Narcóticos (Denarc), Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos e Cargas (DRFVC) e da 34ª DP já estão estacionadas na praça. Os policiais civis querem reajuste salarial de 100% e uma reunião com o governo do estado. A Polícia Civil fez uma greve de cinco meses, no ano passado, e só voltou ao trabalho em 14 de outubro, depois de a Justiça julgar o movimento ilegal.

Publicidade