Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

PM mantém 5 pessoas presas após protestos

Governador do estado afirmou que vandalismo "extrapolou todos os limites" e que os responsáveis serão punidos; oito pessoas ficaram feridas

Por Da Redação 8 out 2013, 14h03

Após a atuação do Black Bloc em protesto de alunos e professores no centro de São Paulo, na noite desta segunda-feira, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que cinco pessoas continuavam presas no 3º DP, em Santa Cecília, no Centro, na manhã desta terça – três delas por furto. Segundo informações da SSP, catorze pessoas foram detidas nos protestos — nove liberadas em seguida.

De acordo com a PM, seis soldados e duas pessoas que estavam na manifestação ficaram feridos. A PM constatou depredações em ao menos nove bancos da região central, nas Avenidas Rio Branco, Duque de Caxias e Ipiranga. Também foram alvos do vandalismo outros dezesseis pontos dessas vias, entre agências bancárias, mercados, lojas, um hotel e até uma viatura da PM.

As pilastras do Museu de Arte de São Paulo (MASP), que fica na Avenida Paulista, amanheceram pichadas nesta terça-feira. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que o vandalismo que aconteceu na noite desta segunda “extrapolou todos os limites”. “Isso afasta manifestações legítimas como as que ocorreram em julho. É um absurdo verdadeiro”, comentou o governador nesta manhã.

Leia também:

Em protesto com policiamento fraco no Rio, black blocs atacam

Alckmin afirmou que há um tenente da Polícia Militar com uma fratura no rosto, causada pelo arremesso de uma “bola de aço”. “É inaceitável. Todos serão identificados e irão responder por esses fatos. Eles vão responder por depredação ao patrimônio público, privado, além de lesão.”

Durante evento na manhã desta terça-feira, Alckmin foi questionado se acontecimentos como os da última noite demonstram fraqueza da polícia e qual a orientação dada aos policiais. “A polícia está agindo e vai agir com rigor na defesa da lei, na proteção das pessoas. É preciso separar manifestação legítima, em que a polícia protege os manifestantes para que eles possam exercer sua liberdade de expressão. Outra coisa é vandalismo, depredação, isso é inaceitável”, respondeu.

O governador não respondeu se defende maior rigor na operação policial e maior punição de manifestantes que agirem com vandalismo, se restringindo a comentar que o trabalho de investigação da polícia está sendo feito e que a orientação é para a polícia proteger os manifestantes e “garantir o direito de livre manifestação”.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade