Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PM é preso bebendo cerveja com traficantes em favela

Policial já tem em sua ficha anotações por vários crimes. Por estar sempre em busca de dinheiro do tráfico, ele recebeu o apelido de 'Agoniado'. Complexo do Lins será ocupado no domingo para criação de mais uma UPP

A expressão “cervejinha do guarda” pode, por vezes, encaixar-se com perfeição nas situações cotidianas da corrupção policial no Rio de Janeiro. Uma ação da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), no Complexo do Lins, na Zona Norte da cidade, prendeu esta manhã três homens que bebiam cerveja em um estabelecimento próximo da favela. Dois deles eram traficantes. O terceiro, o cabo da Polícia Militar Hesten Duarte Alves Júnior, que, segundo os investigadores, foi ao local para receber os 800 reais semanais pagos pela quadrilha. A ficha criminal do policial, que já tinha anotações de extorsão, porte ilegal de armas e tentativa de homicídio, ganhou agora uma de associação para o tráfico.

Delegado da DCOD, Roberto Ramos explicou como chegou ao policial acusado de corrupção. “Tínhamos a informação de que um PM cooperava com o tráfico, dava informações, vendia drogas e armas. Mas não sabíamos quem era ele. Sabíamos apenas que usava o apelido de ‘Agoniado’, porque ficava sempre em cima da quadrilha para receber dinheiro”, disse.

LEIA TAMBÉM:

Inquérito pede indiciamento de dez PMs envolvidos no caso Amarildo

Os outros dois homens presos com o policial são Gustavo Gomes Azevedo, o Drama, de 23 anos, e o mototaxista Fábio Ricardo Gonçalves Souza, de 38. Cada um ganhava 50 reais pelo serviço de entrega da proprina. O cabo ‘Agoniado’ era lotado no Batalhão de Policiamento de Vias Especiais (BpVE). No momento da prisão ele estava com seis telefones celulares.

O Complexo do Lins será ocupado no próximo domingo para a criação de mais uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Como de costume, os ‘peixes grandes’ do tráfico já estão longe dali. A Polícia Civil tem informações de que grande parte deles rumou para o morro do Chapadão, um tradicional esconderijo de bandidos que fogem das ocupações e das UPPs. Um dos foragidos do Lins é o traficante Marreta, que escapou do presídio Vicente Piragibe no início do ano.