Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Para ONGs, exclusão de convênios é ‘covardia’

Por AE/São Paulo

São Paulo – O anúncio do novo ministro do Esporte, Aldo Rebelo (PC do B-SP) – por determinação do Planalto – de que não pretende mais fazer convênios com ONGs, “mas sim com prefeituras”, deixou indignados os responsáveis pela Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong). “É uma covardia, uma falsa solução”, reagiu a educadora Vera Masagão, uma das diretoras da entidade, que abriga cerca de 250 ONGs de todo o País.

A frase do ministro, dita anteontem em sua primeira entrevista depois de indicado pela presidente Dilma Rousseff, foi uma forma de esfriar os ânimos e interromper as denúncias envolvendo convênios irregulares entre ONGs e o ministério, que marcaram os dias finais de seu antecessor, Orlando Silva (PC do B-BA). Aldo afirmou também a intenção de criar um novo decreto interrompendo repasses para avaliar o quadro.

Se houve erro, diz Vera Masagão, “foi de gestores do partido dele, ministro, que não se interessou por fazer chamadas públicas, não fiscalizou, não acompanhou os programas”. E acrescentou: “Temos um problema sistêmico, que é a falta de controle. Essa atitude do ministro mostra apenas que a corda sempre rompe pelo elo mais fraco”.

A Abong não está falando sozinha. Ontem de manhã, um amplo grupo de federações de ONGs, que além dela inclui a Cáritas e o Conselho Latino-Americano de Igrejas, divulgou uma “Carta Aberta à Presidente Dilma” na qual diz temer “que a maioria das organizações sem fins lucrativos seja penalizada injustamente”. O documento cobra da presidente uma promessa feita quando candidata, em outubro de 2010. Ela falou em “constituir um grupo de trabalho”, composto por governo e entidades civis, para “elaborar com a maior brevidade possível, no prazo máximo de um ano”, uma proposta de legislação. No meio da tarde, o MST, o Movimento dos Atingidos por Barragens e outras entidades subscreveram a carta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.