Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Padrasto confessa que matou e enterrou menina de 4 anos no quintal

Polícia Civil também investiga se a mãe da menina, Larissa Regina de Salles, de 19 anos, participou do crime

Por Da Redação 20 jan 2016, 14h08

Uma menina de 4 anos foi morta e enterrada no quintal de casa pelo padrasto no município de Jandira, na Grande São Paulo. O padrasto da criança, João Bezerra da Silva, de 26 anos, é suspeito de espancar e assassinar a garota. Ele foi foi preso após confessar o crime. A Polícia Civil também investiga a participação de Larissa Regina de Salles, de 19 anos, a mãe da criança.

Nesta segunda-feira, Larissa foi até a delegacia da cidade registrar um boletim de ocorrência de desaparecimento da filha, Cíntia Cristina de Salles Neta, que, segundo ela, havia sumido no sábado. Os policiais notaram contradições no depoimento e questionaram por que a mãe não havia informado sobre o sumiço antes. Ela, então, disse que pensava ser preciso esperar 24 horas para fazer o registro.

Depois, os policiais foram até a casa da família, no bairro de Ouro Verde, em Jandira, e perceberam que a terra estava remexida no quintal. Acionados, os bombeiros escavaram o local e encontraram o corpo da criança enterrado.

Silva foi chamado para depor e, segundo a polícia, confessou ser responsável por matar e enterrar a enteada. Segundo depoimento, Larissa havia saído de casa no dia 31 de dezembro e deixado a menina sob os cuidados do padrasto. Dois dias depois, ele usou um chinelo e um fio de nylon para bater na menina, porque ela havia defecado na cama.

Após o espancamento, o ajudante notou que Cíntia estava com febre e resolveu medicá-la com cinquenta gotas de analgésico. A criança, então, passou a transpirar muito e apresentou inchaço no abdome. Ao perceber que a menina não respirava, Silva resolveu esconder o corpo no quintal. Aos policiais, afirmou que não teve intenção de matar e que ocultou o cadáver por medo. Também disse que Larissa não sabia do crime.

De acordo com testemunhas, o ajudante foi visto saindo de casa no dia seguinte, na companhia de uma filha do casal, de 2 anos. Quando Larissa voltou, no dia 4 de janeiro, encontrou a residência vazia. Em depoimento, ela disse que costumava deixar a criança com o marido. Também afirmou que, às vezes, notava hematomas na menina e que Silva dizia que as marcas eram provocadas por quedas.

O ajudante retornou para casa no último dia 16. Ao ver que ele estava apenas com a caçula, Larissa perguntou sobre Cíntia e Silva respondeu que a criança havia sumido. Os policiais aguardam conclusão do laudo médico para indicar a causa da morte da menina.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade