Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“Obra tinha problema ou foi mal feita”, diz especialista sobre rompimento de barragem

Incidente ocorrido no interior de Minas provocou a morte de pelo menos duas pessoas; Corpo de Bombeiros recomeçou as buscas por mais vítimas nesta manhã

As razões que levaram ao rompimento de duas barragens da mineradora Samarco, que devastou o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), nesta quinta-feira, ainda são desconhecidas, mas especialistas já apontam que problemas estruturais podem estar por trás da tragédia. “A barragem foi mal feita ou já estava com problema”, disse a professora de Engenharia de Minas Maria Luiza Souza, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRG) ao jornal O Estado de S. Paulo. Ela afirmou que era preciso ter ocorrido “alguma besteira” na construção ou na manutenção da contenção para ela ruir.

A professora também explicou por que o rompimento gerou um “tsunami de lama” sobre o vilarejo. “Se a barragem ainda está com muita água, quando rompe ela desce como um rio de lama. Provoca assoreamento de rios, vem varrendo tudo pela frente Se a lama está saturada de água, fica sem resistência nenhuma. Por ser um solo muito fino, isso vira um caudal”, disse.

O rompimento ocorreu na tarde desta quinta-feira e envolveu uma barragem de rejeitos, que serve para armazenar resquícios que sobram de minérios extraídos. A Prefeitura de Mariana confirmou até o momento que duas pessoas morreram na tragédia. O Corpo de Bombeiros busca outras vítimas soterradas no local e ainda há muitos desaparecidos. O trabalho de resgate recomeçou às 8h da manhã desta sexta.

Leia também:

Prefeitura de Mariana confirma segunda morte em rompimento de barragens; bombeiros retomam buscam

Samarco é a décima maior exportadora do país

(Da redação)