Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O dia em que João de Deus foi preso por contrabando

Documentos do extinto SNI e da Polícia Federal revelam que, em 1985, o médium integrava uma quadrilha que levava minério radioativo para o exterior

Por Hugo Marques Atualizado em 17 dez 2018, 09h13 - Publicado em 15 dez 2018, 07h00

Na década de 80, João de Deus foi vigiado pelo antigo Serviço Nacional de Informações (SNI). Na época, ele já realizava curas espirituais na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, interior de Goiás. O que pouca gente sabe é que, nas horas vagas, o médium exercia outra atividade: a de contrabandista. João foi preso pela Polícia Federal em 1985 transportando 1 tonelada de autunita, um mineral radioativo, valioso e raro, extraído de um garimpo clandestino.

A carga estava sendo levada para o aeroporto de Alto Paraíso, também no interior de Goiás, onde seria embarcada. De lá, seguiria de avião até a Guiana. Nos arquivos do SNI constam pelo menos três relatórios citando o envolvimento de João de Deus com a quadrilha. Em um dos documentos, os agentes anexam o depoimento prestado pelo médium à polícia, no qual ele confessa o crime.

Relatório do SNI que cita João de Deus: contrabandista //Reprodução

Um dos relatórios registra que o médium foi preso em 5 de novembro de 1985 em companhia de um sobrinho (Wagner Gonçalves) e outros três homens (Jerônimo Pereira, Benedito Oliveira e Diomar Cruz), na cidade goiana de Dianópolis, hoje no Tocantins.  O grupo estava bem armado e a bordo de uma caminhonete. João de Deus tinha um revólver na cintura. Ele admitiu que usava sua fazenda, em Abadiânia, para esconder a mercadoria e que também era o financiador da operação. Se a PF não tivesse feito a interceptação, João de Deus teria faturado 2,5 bilhões de cruzeiros, o equivalente hoje a cerca de 3,5 milhões de reais.

A extração de autunita era fiscalizada por órgãos do governo ligados à política de segurança nacional do regime militar, já que o minério é rico em urânio, matéria-prima para a produção de artefatos nucleares. Após as prisões, o SNI pediu à PF que levantasse mais informações sobre os envolvidos — em especial sobre João de Deus, identificado, na época, apenas como o “indivíduo João Teixeira de Farias (sic)”.

Trechos do depoimento de João de Deus na Polícia Federal. Arquivo Nacional/Divulgação
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)