Clique e assine a partir de 9,90/mês

O Brasil é campeão da soja apesar de estradas como a BR-163

A rodovia federal que cruza o MS e o MT reduz o lucro do agronegócio e põe em risco a vida de motoristas e passageiros

Por Gabriel Castro, de Nova Mutum (MT) - 15 Maio 2014, 21h19

O Brasil é o maior exportador de soja do mundo. O Mato Grosso é o maior produtor do país, e Sorriso é a cidade recordista em grãos no Estado. A maior parte do que é colhido no município é escoada pela BR-163, que cruza o Mato Grosso e o Mato Grosso do Sul. Por aqui passam mais de 30% da soja exportada pelo Brasil. Nesta quinta-feira, o ônibus da Expedição VEJA percorreu um longo trecho da rodovia e constatou o assombroso contraste entre a frágil infraestrutura de transportes à disposição dos produtores e a modernidade do Brasil competitivo, que quebra recordes seguidos de safra e compete no mercado internacional.

Em muitos trechos, a rodovia federal se assemelha a uma vicinal mal conservada, estreita e sem acostamento. A sinalização é quase inexistente. Os buracos se multiplicam. Longas filas de caminhões percorrem o trajeto a uma velocidade reduzida, frequentemente inferior a 60 quilômetros por hora. É espantoso perceber que boa parte da riqueza produzida no Brasil passe por aqui.

A BR-163 é o eixo em torno do qual se expandiu a produção de grãos no Mato Grosso nos últimos anos; Lucas do Rio Verde e Sorriso, duas cidades que enriquecem com a produção de soja, estão à beira da rodovia. Mais adiante, no sul do Pará, a BR-163 sequer é asfaltada.

Além do risco de acidentes, a péssima qualidade da BR traz um considerável custo adicional aos produtores. A conta inclui gastos com o conserto de veículos quebrados, pagamento de dias extras para os motoristas por cauda de lentidão do percurso e o desperdício de carga provocado pelo chacoalhar dos caminhões.

Continua após a publicidade

A Expedição VEJA percorreu até agora cerca de 400 quilômetros na BR-163 e na 364, que também é utilizada para o escoamento da soja; em alguns pontos, máquinas preparavam o terreno para obras de duplicação. Mas a velocidade das melhorias está muito aquém do crescimento econômico da região. Os trechos em obras devem estar prontos só em 2019.

Infográfico: A Expedição VEJA, quilômetro a quilômetro

Se você tem algo a contar sobre o crescimento de Sorriso apesar de todos os problemas de infraestrutura do Brasil, converse com nossa equipe utilizando a hashtag #expedicaoveja nas redes sociais.

O roteiro da expedição
Datas* Cidades
6/5 Jundiaí/SP
8/5 Joinville/SC
10/5 Não-me-toque/RS
13/5 Três Lagoas/MS
16/5 Sorriso/MT
20/5 Luis Eduardo Magalhães/BA
24/5 São Gonçalo do Amarante/CE
27/5 Petrolina/PE
31/5 Sete Lagoas/MG
2/6 Porto Real/RJ
4/6 São José dos Campos/SP
Publicidade