Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Números proporcionais revelam a real posição do Brasil na pandemia

País tem elevado número percentual de óbitos e performance apenas razoável em ritmo de vacinação

Por Sergio Figueiredo Atualizado em 2 Maio 2021, 13h50 - Publicado em 2 Maio 2021, 13h15

A classificação de qualquer país, seja em qual for o ranking, gera polêmica devido às sensíveis diferenças entre dimensão territorial, produto interno bruto e tamanho da população, entre outras características específicas de cada um. Entretanto, a análise em grandeza proporcional, demonstrada em percentagem, costuma ser mais justa e fiel ao real cenário, principalmente quando precisam ser feitas comparações, por exemplo, entre nações como Israel, com menos de 10 milhões de habitantes, e as superpopulosas China e Índia, com cerca de 1,4 bilhão cada uma. Dito isto, os números divulgados on-line diariamente pelos sites de estatística Worldometer e Our World in Data, municiados pelos próprios países que estão sendo monitorados, fornecem informação interessante sobre o Brasil na pandemia de Covid-19.

Segundo o Worldometer, o Brasil é 13º colocado em mortes por milhão de habitantes – destacadamente o pior da América Latina em números proporcionais e também em números absolutos, com mais de 406 mil óbitos. Ele está melhor que um dos países mais industrializados da Europa, a Itália, que se encontra em 12º lugar, e pior que os Estados Unidos, no momento em 17º. O número 1 em mortes por milhão é a Hungria e, na América do Sul, depois do Brasil, encontram-se Peru (15º), Colômbia (28º) e Argentina (30º). A Índia, atual foco de atenção, está em 117º lugar e a China, de onde provavelmente se originou o vírus, em 195º. Neste ranking de óbitos, no qual os primeiros colocados são os piores, o último da lista é a Micronésia, arquipélago da Oceania com apenas 116 mil habitantes: houve apenas um caso registrado lá e nenhuma morte.

Quanto à vacinação, o panorama brasileiro é melhor, porém não confortável, uma vez que o país está em 11º lugar, com 13,71% da população já tendo recebido pelo menos uma dose da vacina – o que nominalmente corresponde a cerca de 29 milhões de pessoas vacinadas em uma população de 213 milhões. Neste ranking, fornecido pelo Our World in Data, Israel aparece em primeiríssimo lugar com mais de 60% da população imunizada. Já o Chile não só é o melhor colocado na América Latina como está entre os melhores do mundo, em 4º lugar. Entre as grandes economias, Estados Unidos lideram, com quase 44% da população vacinada, ficando em 3º no ranking.

Se considerarmos os números absolutos ao lado dos proporcionais, os Estados Unidos são obviamente o grande vencedor na corrida da vacina contra o novo coronavírus, pois apresentam o impressionante número de mais de 145 milhões de pessoas vacinas com pelo menos uma dose. Aparentemente, tecnologia e capital ainda vencem guerras, mesmo as pandêmicas virais.

Continua após a publicidade
Publicidade